Caça europeu de 6ª geração deve seguir em frente após acerto entre sócios

Programa FCAS tem passado por várias discussões entre França, Alemanha e Espanha, mas países teriam chegado a um acordo, segundo Reuters
Projeção do novo caça europeu de 6ª geração (Airbus)

O programa FCAS (Future Combat Air System), que prevê a fabricação de um sistema de combate incluindo um caça de 6ª geração, deve seguir para sua próxima fase, afirmaram fontes da Reuters.

O projeto tem passado por polêmicas entre a Airbus e a Dassault, que disputam o protagonismo na sociedade que envolve a França, Alemanha e Espanha.

Segundo duas fontes ouvidas pela agência de notícias, os três países chegaram a um acordo para dar sequência ao programa, cujo custo deve superar os 100 bilhões de euros.

O FCAS tem como participantes a Airbus, Dassault e a Indra, que representa a Alemanha e a Espanha. Ele foi lançado em 2017 com a meta de substituir os caças Rafale e Eurofighter Typhoon.

Além do caça furtivo, chamado de New Generation Fighter (NGF), o grupo desenvolve uma aeronave não tripulada e uma nuvem de combate aéreo, que será utilizada num cenário de combate futuro.

Maquete do caça NGF (Dassault)

A intenção é que o novo caça entre em serviço até 2040, mas as indefinições sobre a chamada fase 1B, que envolve pesquisa e desenvolvimento para produção de um protótipo da aeronave, emperraram o projeto em abril.

Dassault e Airbus, que antes trabalharam em caças adversários (Rafale e Eurofighter) agora disputam a liderança no desevolvimento do NSF.

Famosa por seus caças, a Dassault pretendia coordenar o projeto, mas a Airbus também busca por uma participação maior já que se trata da divisão mais importante do programa FCAS.

Total
0
Shares
1 comment
  1. Quem dera, ter 2 empresas destas brigando por protagonismo aqui e com o governo pagando e honrando seus contratos de defesa.
    Aqui, talvez virá uma novo A29, no máximo.

Comments are closed.

Previous Post

Airbus A320neo da LATAM se choca com caminhão de bombeiros na decolagem em Lima

Next Post

Boeing 737 MAX 10 da United Airlines voa pela primeira vez, mas distante da certificação

Related Posts
Total
0
Share