Com avião para United Airlines, Boeing retoma entregas do 737 MAX

Companhia aérea dos EUA recebeu nesta terça-feira (08) um 737 MAX 9, o 15º de sua frota, mas só deve retomar voos em 2021
Boeing 737 MAX 9 da United Airlines (UA)
Boeing 737 MAX 9 da United Airlines (UA)

A Boeing voltou a entregar um jato 737 MAX novo nesta terça-feira (08) após 20 meses. A aeronave, um 737 MAX 9, foi recebida pela United Airlines e é a 15ª unidade do modelo a ser incorporada em sua frota. No entanto, a companhia já anunciou que o avião só voltará a voar em voos comerciais em 2021.

Desde março de 2019, mês em que as autoridades de aviação mundiais suspenderam a autorização de operação do avião, a fabricante dos EUA não entregava um 737 MAX. Naquela ocasião, 11 unidades foram enviadas aos seus clientes, incluindo companhias aéreas e empresas de leasing.

Apesar de proibido de voar, o jato continuou a ser produzido, numa aposta arriscada da Boeing, que previa um rápido desenlace por parte da FAA, a agência de aviação civil dos EUA. Mas revelações polêmicas no decorrer da investigação acabaram atrasando o processo e obrigando a empresa a suspender a produção no começo de 2020.

Atualmente, estima-se que cerca de 450 unidades estejam prontas para entrega e armazenadas em vários aeroportos. A meta da Boeing é enviar ao menos metade deles para seus clientes até o final de 2021.

Mais cancelamentos

A entrega do primeiro 737 MAX após sua recertificação ocorre um dia antes de a Gol retomar os voos com o birreator nesta quarta-feira. A companhia aérea brasileira é a primeira no mundo a voltar a colocar o jato em serviço, graças à autorização da ANAC ter ocorrido pouco tempo depois do aval da FAA. Em outras partes do mundo, no entanto, as agências regulatórias ainda finalizam suas análises a respeito das mudanças introduzidas no modelo.

Jatos 737 MAX 8 da Gol: de volta o serviço (Thiago Vinholes)

Apesar disso, o panorama para o avião comercial mais vendido da história da Boeing é positivo, com novos pedidos e várias companhias apostando em seu sucesso daqui em diante. A Gol é uma delas, e já afirmou que receberá mais 11 unidades em 2021 a fim de ampliar a participação do modelo em sua malha.

No entanto, a lista de pedidos pendentes do 737 continua a encolher, ao menos no balanço divulgado pela Boeing em novembro. Foram 63 pedidos suprimidos, 30 por cortes em encomendas e 33 por conta de contratos de empresas em situação financeira precária e que por isso não constavam mais do chamado “backlog” de pedidos. Com isso, o 737 MAX acumula uma perda de 1.068 encomendas em 2020.

Entre os cancelamentos estão 48 unidades para a Virgin Australia, que trocou parte da encomenda pelo modelo 737 MAX 10, com entregas postergadas para 2023. Além dela, a Air Canada cortou 10 jatos de seu pedido, a Air Lease Corp, outros 13 aviões, enquanto 17 unidades foram canceladas por clientes não revelados.

A situação deve mudar em dezembro com a inclusão dos 75 jatos 737 MAX 8-200 da Ryanair, uma conversão das opções do pedido original da companhia low-cost irlandesa. Espera-se que até lá a lista de cancelamentos não supere esse número.

A Virgin Australia foi uma das companhias aéreas que reduziu seu pedido do 737 MAX (Virgin)

Veja também: Tudo que você precisa saber antes de voar no Boeing 737 MAX

Total
12
Shares
Previous Post
Dassault Falcon 6X

Dassault apresenta novo jato executivo Falcon 6X

Next Post
Embraer Super Tucano

Turcomenistão pode ser o próximo cliente do Super Tucano

Related Posts