O Stratolaunch e seus seis motores PW4056: de volta aos céus em setembro

Perto de completar um ano de seu primeiro e único voo, o gigantesco avião “ROC”, com seis motores turbofan pendurados em suas asas de 117 metros de envergadura, se prepara para voltar aos céus. A Stratolaunch, empresa fundada pelo ex-sócio de Bill Gates na Microsoft, Paul G. Allen, prevê que a aeronave de duas fuselagens deverá retomar seu programa de testes em setembro.

Para que isso ocorra, a empresa instalada no aeroporto de Mojave, na Califórnia, tem voltado a contratar funcionários desde o final de 2019 e agora emprega 115 pessoas, sem contar as 18 vagas para engenheiros e operadores de voo que estão disponíveis em seu site.

É um panorama completamente diferente de meses atrás, quando sua falência era dada como certa. Após a morte de Allen em outubro de 2018, a Stratolaunch entrou em uma espiral de problemas. No final daquele ano, anunciou que não mais lançaria uma família de foguetes lançadores e espaçonaves, todas eles previstos para serem levados ao ar pelo “ROC”, apelido do avião criado pela Scaled Composites.

Diante da falta de recursos, a empresa investiu o que pode para fazer o jato de seis motores voar, uma forma de realizar o sonho de Allen, o que tornou-se realidade em 13 de abril de 2019. À essa altura, a Stratolaunch já havia demitido vários funcionários e inciado o processo de suspensão do programa. Em junho, surgiram os primeiros rumores de seu provável fechamento caso não encontrasse um investidor.

Quatro meses depois, em outubro, a Vulcan, empresa de Allen, anunciou a venda da Stratolaunch para um comprador não revelado. Desde então, o hangar no deserto de Mojave voltou a ganhar vida. Embora ainda não tenha sido confirmado, o novo dono da Stratolaunch seria o Cerberus Capital Management, um fundo de investimentos que tem negócios em diversos setores.

Sob a nova administração, Stratolaunch, no entanto, mudou sua missão: agora o ROC será usado como plataforma voadora para veículos de testes hipersônicos e não mais para lançamentos de foguetes em órbita. “Nós eramos uma empresa de lançamento espacial anteriormente, agora somos algo bem diferente”, disse Mark Bitterman, vice-presidente da empresa, em declaração no início do mês.

A mudança teria ocorrido por conta da grande concorrência nos programas espaciais privados com empresas como SpaceX e Virgin Orbit, so bilionários Elon Musk e Richard Branson, respectivamente. Por outro lado, a tecnologia de voos hipersônicos tem evoluído e precisará de plataformas para avaliar protótipos num futuro breve.

Para se preparar para essa nova fase, a Stratolaunch pretende realizar ao menos um voo de certificação por mês para conseguir autorização do FAA para oferecer seus serviços em 2021. Felizmente, o gigante de Mojave voltará a ser visto nos céus em breve.

O único voo do Stratolaunch “ROC” ocorreu em 13 de abril de 2019 (Stratolaunch)

Veja também: Bristol Brabazon, o gigante certo para o momento errado