A Bamboo Airways foi criada há pouco tempo no Vietnã e quer terminar 2020 com 50 aviões, incluindo o 787-9 (Bamboo)

A Boeing pode receber uma nova encomenda do seu jato 777X nos próximos meses de uma companhia recém lançada. A Bamboo Airways, do Vietnã, revelou a intenção de adquirir 12 unidades do  maior widebody do mundo, segundo afirmou seu presidente, Trinh Van Quyet, à Bloomberg. O negócio, no entanto, só deve ser anunciado no segundo trimestre, o que traria um alívio à combalida carteira de pedidos da fabricante dos EUA.

A Bamboo Airways é uma companhia aérea fundada em 2017, mas que iniciou suas operações no ano passado. Sua frota atual é de 25 aeronaves, a maior parte de modelos da família A320, incluindo a nova geração Neo. Nas rotas de longo alcance, a empresa utiliza o 787-9 Dreamliner, cujos três primeiros aviões foram recebidos recentemente.

A Bamboo pretende estrear seu primeiro voo para a Europa, com destino a cidade à Praga, na República Tcheca, no final de março. A ambição da companhia aérea, no entanto, é ter uma frota com 50 aviões ainda em 2020.

Sem pedidos

Se o negócio realmente vier a ser fechado, será um alento na lista de pedidos do 777X. Maior jato comercial bimotor da história, o widebody da Boeing está com o programa de desenvolvimento atrasado por conta de problemas com o novo turbofan GE9X, que fez o cronograma ser postergado em vários meses.

O voo inaugural da variante 777-9, de maior capacidade, só ocorreu no dia 25 de janeiro, após vários adiamentos. A Boeing planeja entregar os primeiros aviões no final de 2021 para a Lufthansa, cliente lançadora da aeronave, e logo em seguida para a Emirates Airline, dona do maior pedido. O 777-9 deve se tornar o maior jato comercial em produção assim que as linhas de montagem do A380 do 747 forem encerradas. A aeronave tem capacidade para transportar até 426 passageiros e ser 20% mais econômico que as versões anteriores do “triple-seven” além de voar sem escalas em distâncias de até 13.500 km.

A família 777X também inclui o modelo menor 777-8, mas seu desenvolvimento está temporariamente suspenso enquanto a fabricante foca em questões mais urgentes. Outro detalhe que chama atenção no 777X é sua envergadura de 71,8 m. É tão grande que a Boeing precisou criar um dispositivo que dobra a ponta das asas para o avião “caber” nos aeroportos sem que precisem de reformas e adaptações, como acontece com o gigante Airbus A380.

O ano de 2020 começou da maneira mais díficil para a fabricante dos EUA que terminou janeiro sem contabilizar um único pedido de seus aviões comerciais. Apenas 13 aeronaves foram entregues no mês passado, uma situação que há muito tempo não ocorria na Boeing.

O 777X possui pouco mais de 300 pedidos, mas no ano passado só recebeu uma encomenda (Boeing)

Veja também: Produção do Boeing 737 Max levará anos para ser normalizada