Delta Air Lines pode ser cliente lançadora do Boeing 797

Executivo da companhia aérea americana pretende substituir seus 757-300 e 767 pelo novo avião hoje conhecido pela sigla NMA
Boeing 757-300: avião é um dos que poderiam ser substituídos pelo NMA caso a Delta seja cliente do novo Boeing (BriYYZ)
Boeing 757-300: avião é um dos que poderiam ser substituídos pelo NMA caso a Delta seja cliente do novo Boeing (BriYYZ)

Embora ainda persista a dúvida se a Boeing aproveitará a feira de Farnborough, na Inglaterra, para anunciar o lançamento do NMA (New Midsize Airplane, Novo Avião de Médio Porte), também apelidado de 797, ao menos já há um interessado confesso no novo jato, a Delta Air Lines.

Segundo declarou Ed Bastian, novo CEO da companhia aérea, a Delta pode ser uma das lançadoras do birreator. “Tivemos discussões com a Boeing sobre ser um possível cliente de lançamento”, admitiu o executivo em entrevista realizada no dia 27 de junho. A empresa pretende encomendar mais de 100 aeronaves com as características do NMA, ou seja, capacidade para 220 a 270 passageiros e alcance em torno de 9.250 km.

Para a Delta o NMA poderia ser um sucessor ideal para seus 757-300, versão alongada do jato de um corredor e que vendeu poucos exemplares, e também de parte dos seus 767, alguns bastante antigos. Hoje a companhia possui 16 unidades do primeiro e 79 do segundo, sendo 58 da versão -300.

Curiosamente, a Delta não tem sido uma empresa muito interessada em assumir a posição de lançadora de um novo avião. Seus jatos mais modernos, o A350 e o CS100, só entraram nos  planos da empresa depois que estavam num estágio mais avançado de desenvolvimento.

Por enquanto, a Boeing vive o dilema entre congelar as especificações do NMA e assim facilitar a vida das companhias interessadas, ou prolongar os estudos para tentar atrair mais companhias aéreas. Por essa razão, há quem diga que não será em Farnborough que o ‘797’ será anunciado oficialmente.

Mais próxima da Bombardier

Por falar na Delta, a companhia voltou a encomendar aviões da canadense Bombardier, mas não da série CS, recentemente assumida pela Airbus. Em vez disso, ela comprou 20 unidades do CRJ900, maior versão do birreator regional que irão substituir outros jatos mais antigos na frota de suas associadas. Depois do protesto da Boeing ter sido negado pelo governo americano, a Delta deve receber os primeiros CS100 de uma encomenda de 75 aviões no final deste ano, mesma época em que os CRJ900 serão entregues.

Veja também: Boeing NMA, vulgo 797, pode entrar em serviço em 2025

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabricio
Fabricio
3 anos atrás

Sugiro corrigir um erro na reportagem. O CRJ900 não é o maior avião da família CRJ. Acima tem ainda o CRJ1000, que apesar de poucas vendas ainda está no portfolio da Bombardier.

Previous Post
O 737 MAX 8 da Gol é configurado para transportar até 186 passageiros (Gol)

Gol terá voos para o Equador a partir de dezembro

Next Post
A Gol vai receber 120 jatos 737 MAX até 2028 (Gol/Portal Ponte Aérea)

Gol recebe primeiro jato Boeing 737 MAX 8

Related Posts