Problema estrutural do Boeing 787 pode afetar mais unidades

Falha foi inicialmente detectada em oito unidades produzidas em 2019, mas a FAA e a Boeing estão avaliando se problema pode envolver mais de uma centena de aviões
Boeing 787-10 produzido em North Charleston (Ryan Johnson/CC)
Boeing 787-10 produzido em North Charleston (Ryan Johnson/CC)

As falhas estruturais descobertas na parte traseira da fuselagem de oito jatos 787 Dreamliner podem envolver mais aeronaves, segundo informações internas do FAA reveladas pelo jornal The Wall Street Journal. Fabricados em material composto, esses componentes são produzidos na nova fábrica de North Charleston e que tem sido alvo de suspeitas de deficiências em seu controle de qualidade.

Segundo o jornal, a FAA (agência de aviação civil dos EUA) está investigando se o defeito na fabricação afeta mais aeronaves do que as oito apontadas pela Boeing e que pertencem às companhias Singapore, United e Air Canada. Segundo o Flight Global, ao menos um 787-10 da All Nippon Airways (maior cliente do modelo) está aterrado por conta dessas suspeitas.

De acordo com outro jornal, o Seattle Times, a Boeing está analisando dados de toda frota para descobrir algum avião apresenta ao menos uma das falhas estruturais, mas sem a necessidade de tirá-los de operação.

A revista Aviation Week, no entanto, afirmou na semana passada que o problema pode afetar centenas de 787. Segundo a fabricante, apresentar uma das duas falhas não afeta a segurança das aeronaves e o reparo pode ser feito durante cheques de manutenção rotineiros, mas se um avião apresenta os dois problemas tem de ser aterrado. O problema teria surgido na fase de conformação das peças e que apresentam uma resistência menor do que a esperada.

Produção dividida

A falha de produção é mais um problema que a Boeing tem com a unidade da Carolina do Sul, implantada no começo da década para montar apenas o modelo Dreamliner. Com funcionários não sindicalizados, a planta teria um custo de produção mais baixo do que as unidades localizadas no estado de Washington como Everett, onde também é feito o 787.

Antes da crise, a Boeing produzia 14 jatos 787 por mês, sete deles em North Charleston. Mas em 2021 a fabricante reduzirá o ritmo mensal para apenas seis unidades e deve optar por concentrar a produção em apenas um local. A nova fábrica seria a favorita.

787 é produzido na fábrica da Carolina do Sul (Boeing)

Veja também: Boeing revela bastão ultravioleta para desinfetar aviões

Total
51
Shares
Previous Post

Rússia cria centro de pesquisas para projetar aviões comerciais supersônicos

Next Post
Boeing 737 MAX 7

Boeing deve descartar o 737 MAX e projetar um substituto, diz CEO da Qatar Airways

Related Posts
Total
51
Share