Governo corta orçamento para modernizar caças da FAB

Programa de modernização do caça-bombardeiro Embraer AMX previa a atualização de 43 aeronaves; apenas 3 foram completadas
FAB A-1M
FAB A-1M
Com a célula revitalizada, o A-1M teve sua vida útil ampliada em mais 20 anos (FAB)
Com a célula revitalizada, o A-1M teve sua vida útil ampliada em mais 20 anos (FAB)

Uma alteração na Lei de Orçamento para 2016, decretada pela presidente Dilma Rousseff, nesta quarta-feira (11), autorizou o deslocamento de recursos antes destinados a investimentos para a manutenção em vários órgãos do governo. A maior movimentação aconteceu no quadro da Aeronáutica: uma verba de R$ 101 milhões, antes prevista para dar continuidade ao programa de modernização do caça-bombardeiro A-1 neste ano, agora será aplicada na compra de combustível e revisão das aeronaves atuais.

Esse é mais um golpe no processo de modernização do A-1, designação militar da Força Aérea Brasileira (FAB) para o caça-bombardeiro Embraer AMX. As novas soluções para a aeronave foram propostas em 2003 e o primeiro protótipo modernizado pela Embraer voou em 2007.

Naquela época, o programa avaliado em US$ 400 milhões previa a modernização de 43 aeronaves no período de cinco anos. Após uma série de contratempos com renegociações de contrato, a primeira aeronave, designada “A-1M”, foi entregue a Aeronáutica somente em 2013. Desde então, a FAB recebeu apenas outros dois caças AMX com a nova configuração.

Nesse mesmo tempo, a força aérea da Itália, o outro usuário do AMX (desenvolvido pela Embraer em parceria com fabricantes italianos), realizou uma modernização semelhante a proposta ao modelo brasileiro em 52 jatos de sua frota. Os italianos atualizaram seus aviões entre 2006 e 2012 e o programa custou US$ 350 milhões.

Já os investimentos nos programas de desenvolvimento do cargueiro militar Embraer KC-390 e parceria para construção do caça Saab Gripen NG, não foram prejudicados no orçamento.

A FAB recebeu apenas 3 jatos A-1M com os novos equipamentos de bordo (FAB)
A FAB recebeu apenas 3 jatos A-1M com os novos equipamentos de bordo (FAB)

Novos equipamentos do AMX

Na ativa com a FAB desde 1989, o A-1 é um avião militar versátil: pode atuar em uma variedade de missões, de caça-bombardeiro à operações de reconhecimento. No entanto, os equipamentos da aeronave da primeira geração, como sensores de busca e controles de armas, estão ultrapassados.

Na versão modernizada, o A-1M é um avião de combate melhor preparado para as ameaças modernas. O design do AMX é o mesmo, mas seu interior contém algumas das tecnologias militares mais avançadas em seu segmento.

Os equipamentos de voo são distribuídos em telas digitais e um novo sistema de geração de oxigênio para a cabine permite ao avião (e ao piloto) voar em grandes altitudes por mais tempo. O A-1M também possui um sistema mais avançado de alerta e contramedidas (flares e chaff) contra mísseis.

O novo radar "multi-modo" do A-1M tem alcance de até 80 km (FAB)
O novo radar “multi-modo” do A-1M tem alcance de até 80 km (FAB)

As principais alterações tecnológicas da aeronave são os novos sensores de busca por infla-vermelho e o radar “multi-modo”, que pode atuar em busca de aviões ou mapeando o terreno por onde voa. Esses equipamentos permitem ao A-1M “enxergar” até 80 km à frente e disparar suas armas com precisão.

Durante o processo de instalação dos novos equipamentos, a estrutura e asas dos caças também são completamente revitalizadas, o que aumenta a vida útil programada do avião. Os A-1M da FAB, por exemplo, tem capacidade para continuar voando até meados de 2032. Já os A-1 da primeira geração talvez não consigam seguir na ativa por tanto tempo, ao menos se o programa não for continuado.

Em contato com o Airway, a assessoria de imprensa da Aeronáutica informou que os A-1 seguem operando normalmente, respeitando os limites para o qual foi projetado. No entanto, ainda não existe uma previsão sobre a continuidade do programa de modernização, informou a Aeronáutica.

Os caça-bombardeiros AMX fabricados pela Embraer são operados pelos esquadrões “Poker” e “Centauro”, na Base de Santa Maria (RS), e pelo esquadrão “Adelphi”, na Base de Santa Cruz (RJ).

Veja mais: FAB coloca à venda caças Mirage 2000 desativados

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
MARCIO LIRA
MARCIO LIRA
5 anos atrás

Só corrigindo, o A1 de BASC é operado pelo Esquadrão Adelphi (1º/16º GAv) e não o Pampa (que é um esquadrão da BACO/RS).

Velho Camanducaia
Velho Camanducaia
4 anos atrás

A corrupção está na veia de quem administra o dinheiro público. Para essas pessoas, não existe nação, não existe educação, não existe futuro e perspectiva para NADA E NEM NINGUÉM. A única coisa que eles veem em frente a seus olhos é auferir a maior quantidade de dinheiro e benesses que puderem…

Previous Post
Consegue contar quantos aviões na fotos? (USAF)

Caças dos EUA realizam “Marcha do Elefante” na Coreia do Sul

Next Post

Parados desde maio, FAB religa cinco radares meteorológicos

Related Posts