Embraer acusa Boeing de fabricar pretextos para não assumir compromissos na parceria

Empresa brasileira divulgou nota horas depois que a Boeing a culpou por não cumprir sua parte na joint venture
Jato E195-E2 e ao fundo o 737 Max: Embraer acusa Boeing de inventar pretextos para sair do aordo (Thomas Arnoux)
Jato E195-E2 e ao fundo o 737 Max: Embraer acusa Boeing de inventar pretextos para sair do acordo (Thomas Arnoux)

O anúncio do rompimento da joint venture entre Boeing e Embraer mal foi divulgado e as duas empresas já começaram a se acusar mutualmente pelo fracasso do negócio.

Horas depois de ser surpreendida com o comunicado da Boeing, que a responsabilizou por não ter atendido às condições necessárias para consolidar as tratativas, a Embraer divulgou uma nota dura em que acusa a empresa dos EUA de “fabricar falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões”.

Na visão da empresa brasileira, a Boeing “adotou um padrão sistemático de atraso e violações repetidas ao MTA (Acordo Global de Cooperação), devido à falta de vontade em concluir a transação, sua condição financeira, ao 737 MAX e outros problemas comerciais e de reputação”.

A Embraer promete ainda buscar todas as medidas cabíveis contra a Boeing pelos danos sofridos pelo cancelamento e violação do acordo, que foi considerado indevido pela fabricante.

A companhia, que completou 50 anos em 2019, afirma ainda que superará esse triste momento por ser uma empresa bem-sucedida, eficiente e diversificada: “Nossa história de mais de 50 anos está alinhada com muitas vitórias, mas também com alguns momentos difíceis. Todos eles foram superados. E é exatamente isso que vamos fazer novamente. Superar esses desafios com força e determinação”, finaliza o texto.

O presidente da empresa, Francisco Gomes Neto, também se manifestou, lamentando a decisão da Boeing, mas confirmando que a Embraer buscará compensações.

Francisco Gomes Neto, CEO da Embraer: “vamos buscar compensações” (Divulgação)

Dupla vitória da Airbus

O fim da joint venture entre a Boeing e a Embraer, após cerca de 30 meses de negociações e discussões, certamente será comemorado como uma dupla vitória da Airbus.

Em vez de enfrentar um concorrente com uma linha de produtos similar, a fabricante de aviões européia disputará pedidos com duas empresas enfraquecidas, com problemas financeiros e uma menor margem de negociação.

Uma coisa é certa, a joint venture se arrasta há muito tempo para eleger a pandemia de coronavírus como a principal razão para o fim do projeto. As conversas entre os dois grupos começaram no segundo semestre de 2017, mas houve apenas um anúncio oficial em julho de 2018.

A proposta enfrentou eleições gerais no Brasil, protestos contra investimentos estrangeiros na Embraer e discussões prolongadas sobre como separar as divisões da empresa brasileira, que também atua nos mercados de defesa e jato executivo.

Um cenário diferente do que ocorreu com a negociação da Airbus para a compra dos jatos C Series da Bombardier, que fez a Boeing se aproximar da Embraer. Os europeus preferiram criar uma parceria para oferecer os novos jatos em que se comprometeram a investir no programa pelo custo simbólico de um dólar canadense.

A Boeing e a Embraer, por sua vez, decidiram lançar uma terceira empresa, a Boeing Brasil Commercial, na qual a empresa americana teria uma participação de 80%, depois de pagar US$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 23,5 bilhões).

É precisamente esse valor que não está mais disponível, apesar das alegações da Boeing de que a Embraer não teria cumprido sua parte do contrato.

Era Bombardier CS300, agora é Airbus A220-300 (Airbus)
O A220, ex-C Series: Airbus terá dupla vitória com fim da parceria entre Boeing e Embraer  (Airbus)

Veja também: Chineses no lugar da Boeing como sócios da Embraer?

Total
67
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Lopes
Marcelo Lopes
2 anos atrás

Com certeza é pretexto!!

Previous Post

“Embraer não atendeu às condições necessárias” para concluir joint venture, diz Boeing

Next Post

Airbus e Rolls-Royce encerram projeto de avião com motorização híbrida

Related Posts
Total
67
Share