Embraer pode lançar versão de carga dos E-Jets, diz jornal

Publicação aponta interesse da companhia no segmento de cargas e o lançamento de um programa de conversão de cargueiros
Azul Cargo Express - Embraer E195
(Azul)
Azul Cargo Express - Embraer E195
Primeiro E-Jet cargueiro do mundo: a Azul vai adaptar 10 jatos E195 para o transporte de cargas (Azul)

Uma reportagem do Airfinance Journal aponta que a Embraer está estudando o mercado de transporte aéreo de cargas e pode lançar um programa de conversão de cargueiros baseados nos E-Jets. Segundo a publicação, a empresa deve anunciar uma decisão sobre o tema neste mês.

Fontes familiarizadas com o assunto disseram ao jornal que “o projeto de conversão do E190 é independente dos voos de carga da Azul”, citando as operações da Azul com os E195 adaptados para transportar cargas. “A ideia por trás do programa de conversão é obter uma solução de longo prazo para essas frotas”, acrescentou.

A publicação diz que a Embraer está avaliando as conversões dos modelos E190 e E195. Modelo mais famoso da série, o E175 não teria espaço suficiente na fuselagem para instalação de uma porta de carga. O jornal cita ainda que um E190 convertido teria uma carga útil máxima em torno de 11 toneladas – como comparação, um cargueiro 737-400F comporta 20 toneladas.

Sugerindo que a Embraer avance no desenvolvimento dos E-Jets cargueiros, o jornal acredita que um protótipo pode voar até o final do 2022, com as primeiras entregas aos clientes em 2023.

A Embraer ainda não comentou o assunto.

Embraer C-390 Millennium
A aeronave multimissão C-390 Millennium também é oferecida no mercado civil (Embraer)

Nicho especial

A conversão dos E-Jets em cargueiros, considerando modelos baseados nos jatos E190 e E195, coloca a Embraer numa lacuna entre os Boeing 737 (e o recém-lançado A320 P2F) e o turboélices ATR 72 modificados para o transporte de carga.

Uma proposta da Embraer nesse sentido pode ser uma alternativa mais rápida e com maior capacidade de carga comparado aos cargueiros turboélice. São aviões que repetem sua essência na aviação regional, com voos entre grandes centros e regiões menores, mas focadas integralmente no transporte de cargas.

8 toneladas de carga: a nova versão ATR 72-600F é um das grandes apostas da fabricante franco-italiana (ATR)

A pandemia da COVID-19 gerou uma imensa procura por transporte aéreo de cargas ao redor do mundo. O crescimento do setor foi influenciado pelo transporte de insumos médicos e o forte crescimento do e-commerce nos últimos meses devido às restrições sociais de prevenção ao vírus. A demanda é tão alta, que muitas companhias adaptaram aviões de passageiros para o frete aéreo – como o caso dos E195 adaptados pela Azul, que comportam cerca de 6 toneladas.

A análise do Airfinance Journal menciona a opção do E-Jet de carga como um substituto para pequenas frotas de antigos cargueiros baseados no BAe 146, Boeing 737-200 e 737-300, e o McDonnell Douglas DC-9.

Veja mais: Primeiro Airbus A321 cargueiro do mundo entra em serviço na Austrália

Total
58
Shares
Previous Post

Austral Líneas Aéreas é absorvida pela Aerolineas Argentinas

Next Post

Air France cogita o 737 MAX e o hipotético A220-500 para substituir seus A320

Related Posts