Primeiro drone militar brasileiro: o Atobá da Stella Tecnologia pode voar por 28 horas (Stella Tecnologia)

O Brasil agora faz parte do seleto grupo de nações que fabricam aeronaves militares não tripuladas de grande porte, os populares drones. O responsável por esse marco é a Stella Tecnologia, empresa sediada em Duque de Caxias (RJ) que recentemente anunciou o lançamento do Atobá, o maior veículo aéreo não tripulado (Vant) do hemisfério sul com 11 metros de envergadura, 500 kg e capaz de voar por 28 horas ininterruptas.

Em entrevista ao Airway, Gilberto Buffara, um dos sócios fundadores da Stella Tecnologia, disse que o drone levou cinco anos para ser desenvolvido e o projeto custou R$ 11,5 milhões, valor que foi financiado pela própria empresa. O estudo ainda tem a participação de alunos de engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da universidade privada Estácio de Sá. O primeiro voo do aparelho foi conduzido em 20 de julho numa pista particular no Rio de Janeiro.

“O Atobá é o primeiro drone de grande porte projetado no Brasil que foi bem sucedido em voo. Entre sete e oito meses, ele deve estar totalmente operacional e pronto para ser oferecido ao mercado”, disse Buffara. Ele ainda revelou que a aeronave não tripulada já despertou a atenção das três forças armadas brasileiras (força aérea, marinha e exército) e de forças policiais, embora ainda não exista nenhuma negociação em andamento.

A fuselagem e asas do veículo são construídos com material composto e a propulsão fica a cargo de um motor a gasolina quatro cilindros de 700 cilindradas de 60 cavalos de potência. “O Atobá é mais potente e tem mais autonomia que o Hermes 450 (da israelense Elbit Systems)”, contou Buffara, se referindo ao drone de reconhecimento operado pela Força Aérea Brasileira (FAB). “Ele também é mais barato e pode ser equipado com câmeras e sensores mais avançados”, acrescentou.

O sócio fundador da Stella Tecnologia disse que cada sistema do Atobá, composto por duas aeronaves e uma estação de controle, vai custar em torno de US$ 8 milhões. É um preço bem abaixo dos cerca de US$ 25 milhões que a FAB pagou por quatro modelos Hermes 450.

A FAB possui quatro drones Hermes 450, adquiridos em 2009 (FAB)

Segundo a empresa, o Atobá pode voar com poderosas câmeras de vigilância, sensores infravermelhos e outros equipamentos de busca, capazes de acompanhar objetos (ou até pessoas) a quilômetros de distância. O aparelho é comandado por uma estação de rádio em solo e pode alcançar até 5.000 metros de altitude, sendo imperceptível a olho nu.

A fabricante ainda cita que o sistema de controle do drone se comunica diretamente com o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) para manter as operações aéreas em segurança. Buffara ainda revelou que eventualmente o aparelho também pode ser equipado com armamentos, como mísseis e bombas, “desde que respeite os limites de peso previstos no projeto”.

Gilberto Buffara, fundador da Stella Tecnologia, ao lado do drone Atobá; veículo pela 500 kg (Stella Tecnologia)

Além da aplicação militar em operações de vigilância, a Stella Tecnologia também oferece o drone Atobá como uma ferramenta de monitoramento aéreo para o agronegócio, exploração de gás e petróleo e no monitoramento de crimes ambientais e incêndios florestais.

Drones militares “Made in Brazil”

Fundada em 2015, a Stella Tecnologia reúne profissionais pioneiros na indústria brasileira de aeronaves não tripuladas, com mais de 15 anos de experiência nessa área. Os primeiros projetos da empresa carioca foram sobre drones de pequeno porte, lançados com as mãos e movidos por baterias elétricas. Aparelhos como esses já foram utilizados, por exemplo, pela Marinha do Brasil e em operações de inteligência da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Por seu baixo custo e eficiência comprovada, diversos países têm ampliado o uso de aeronaves não tripuladas. A força aérea dos EUA, por exemplo, já treina mais pilotos de drones que de aeronaves tradicionais. Outro país com grande destaque nesta área é Israel.

Gilberto Buffara acredita que o Atobá terá uma participação importante no mercado brasileiro, o que vai ajudar a impulsionar a presença do aparelho no exterior, principalmente em países da América do Sul, África e Oriente Médio.

“As vantagens inerentes ao uso dos drones em operações militares têm atraído cada vez mais a atenção de vários países. Ainda temos um caminho a percorrer, apresentando o avião aos nossos clientes e a partir desse sucesso, que acredito que teremos, expandir os negócios além do Brasil. Mas primeiramente vamos focar aqui mesmo no nosso mercado, que é imenso”, concluiu o diretor da Stella Tecnologia.

Veja mais: Avião com formato de bala promete ser o mais eficiente do mundo