Helvetic Airways torna-se nova cliente do Embraer E195-E2

Companhia aérea suíça decidiu converter quatro pedidos originais de E190-E2 pela versão de maior capacidade do jato brasileiro
(Embraer)
A Helvetic terá quatro E195-E2 e outros oito E190-E2 até o final de 2021 (Embraer)

A Helvetic Airways assinou um novo acordo com a Embraer para converter quatro unidades remanescentes do modelo E190-E2 para a variante E195-E2, de maior capacidade. A carrier suíça tem hoje cinco aeronaves de nova geração em operação, a mais recente recebida neste mês, mas havia postergado os sete jatos restantes para 2021.

Agora, a frota de novos aviões da Helvetic terá oito E190-E2 com 110 assentos e quatro E195-E2 com 134 assentos, todos previstos para serem entregues até o final de 2021.

“O Embraer E195-E2 consegue um bom equilíbrio entre capacidade de assentos, alcance, consumo de combustível e operação ambientalmente amigável. Com capacidade entre 120 e 150 assentos, praticamente não tem concorrentes no segmento de aeronaves regionais. Operar uma única frota – em termos de cockpit – com capacidades variadas de assentos nos permitirá expandir a flexibilidade operacional e a autonomia de nossa organização”, afirmou Tobias Pogorevc, CEO da Helvetic.

O valor do pedido remanescente é de US$ 480 milhões (R$ 2,6 bilhões), baseado em preços de lista. A Helvetic tem direitos de compra de outros 12 jatos E2, que poderão ser de ambos os modelos.

Durante apresentação do E195-E2 em Zurique em fevereiro, Pogorevc havia afirmado que a aeronave tinha grande potencial de ser encomendada. “Estamos conversando com a Embraer imaginando que o 195 complementaria muito bem o 190. É bem possível que compremos o 195”, disse na ocasião.

Modernização da frota

A Helvetic Airways é cliente da Embraer com os E190 de primeira geração, mas já operou até pouco tempo com o jato Fokker 100. A companhia aérea tem uma malha aérea centrada na Europa e também realiza voos em parceria com a Lufthansa e a Swiss, que opera o rival Airbus A220.

O acordo com a Helvetic é o segundo que a Embraer consegue converter pedidos originais por aeronaves maiores. Em maio, a airframer brasileira convenceu a Congo Airlines a trocar a encomenda de dois jatos E175 pela mesma número de aviões E190-E2.

O primeiro E190-E2 da Helvetic: cinco aviões em operação (PW)

Veja também: Helvetic completou o voo mais longo de um avião da Embraer

Total
32
Shares
Previous Post

EUA preparam novo regulamento para aviões comerciais supersônicos

Next Post

Japão se torna o primeiro operador internacional do V-22 Osprey

Related Posts