Iraque oferece pagamento em petróleo por caças Rafale da França

País do Oriente Médio planeja aquisição de 14 caças franceses Dassault Rafale em troca de petróleo
O Rafale está em operação na França e no Egito; Qatar e agora a Índia estão da fila de espera (Divulgação)
Rafale em ótima fase: além do interesse do Iraque, o caça francês recebeu neste ano pedidos da Croácia, Grécia e Indonésia (Divulgação)

Dono de uma das maiores reservas de petróleo da planeta, o Iraque quer usar seu valioso recurso natural como moeda de troca para adquirir aeronaves de combate da França. É o que aponta a revista Forbes, que publicou nesta semana uma reportagem revelando o interesse dos iraquianos em negociar a compra de 14 caças Dassault Rafale, cada um avaliado em cerca de US$ 240 milhões.

A publicação não revela detalhes sobre os caças Rafale pretendidos por Bagdá, se são aeronaves novas de fábrica ou modelos de segunda mão da força aérea francesa. Por outro lado, a revista indica que o interesse no jato da Dassault é um sinal de que o Iraque procura se afastar dos Estados Unidos, que desde a queda de Saddam Hussein vem sendo o principal fornecedor de material militar do país, além de uma provável retaliação a permanência de tropas dos EUA em território iraquiano.

Atualmente, a principal aeronave de combate da força aérea iraquiana é o modelo norte-americano Lockheed Martin F-16C/D da série Block 52. O Iraque também possui jatos de ataque Sukhoi Su-25 de fabricação russa, mas essas aeronaves estão aterradas por falta de peças de reposição.

Veja também:

Força Aérea do Chile recebe primeiro “avião-radar” Boeing E-3D Sentry

Rússia ainda não sabe o que fazer com o widebody Il-96-400M

Sobre o inusitado pagamento em petróleo, o Iraque pode estar levando em conta uma opção em que a inflação e a crise econômica global não afetarão a negociação, sobretudo no contexto atual da guerra da Ucrânia e a crise energética na Europa.

Brasil já trocou algodão por caças

Primeiro caça a jato da Força Aérea Brasileira, o Gloster Meteor chegou ao Brasil após um curioso acordo: o governo brasileiro trocou 15.000 toneladas de algodão por 60 caças britânicos.

O Gloster Meteor podia voar a mais de 900 km/h e operou no Brasil até 1974 (Coleção Camazano)
O Gloster Meteor podia voar a mais de 900 km/h e operou no Brasil até 1974 (Coleção Camazano)

Veja também:

Conheça os jatos de combate que já voaram com a FAB

O museu que virou cemitério de aviões

O Meteor foi um dos primeiros aviões com motores a jato do mundo. Desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial, a aeronave voou pela primeira vez em 1943 e participou de ações isoladas na parte final do conflito na Europa. O avião britânico é contemporâneo do caça alemão Messerschmitt Me 262, que foi o primeiro avião a jato a entrar em operação.

Por ser um dos únicos aviões de seu tipo no mercado do pós-guerra, o Meteor foi o primeiro caça a jato de diversos outros países, como Austrália, França e Holanda. A FAB operou os jatos da Gloster Aircraft de 1953 até 1974.

Total
53
Shares
Previous Post

Rússia ainda não sabe o que fazer com o widebody Il-96-400M

Next Post

Boeing teria sido autorizada pela FAA a voltar a entregar jatos 787 Dreamliner

Related Posts
Total
53
Share