Maior avião anfíbio do mundo, AG600 completa primeiro voo

Aeronave desenvolvida na China é projetada para pousar e decolar em aeroportos ou na água
O AG600 será um importante instrumento de apoio às ilhas artificiais que a China (Xinhua)
O AG600 será um importante instrumento de apoio às ilhas artificiais que a China (Xinhua)
O AG600 será um importante instrumento de apoio às ilhas artificiais que a China (Xinhua)
O AG600 será um importante instrumento de apoio às ilhas artificiais que a China vem criando no Pacífico (Xinhua)

A fabricante AVIC, da China, completou com sucesso no domingo (24) o primeiro voo com o AG600, o maior avião anfíbio da atualidade. A aeronave, projetada para operar em terra firme ou na água, decolou do aeroporto de Zhuhai e o voo durou 64 minutos. De acordo com o fabricante, o teste em voo serviu para avaliar os controles básicos do modelo.

O voo inaugural do AG600 foi um alívio para a AVIC, que vem desenvolvendo a aeronave há quase 10 anos. Segundo o cronograma original do fabricante, o primeiro voo do modelo anfíbio era planejado para 2015, ao passo que entregas começariam no ano seguinte. O novo avião chinês, no entanto, ainda não tem uma data definida de estreia.

O AG600 é um dos “três grandes projetos de aeronaves” aprovados pelo governo chinês, que também investe no cargueiro militar Y-20, desenvolvido pela Xi’an, e o jato comercial C919, da COMAC.

Diferentemente do Y-20 e o C919, que utilizam uma série de itens importados, o avião anfíbio da AVIC é o que possui mais peças e sistemas desenvolvidos na China. Segundo o fabricante, cerca de 98% do projeto é composto por componentes desenvolvidos localmente, inclusive os motores turbo-hélice Dongan WJ-6.

A categoria do AG600 também é conhecida como “Flying Boats” (Barcos Voadores). A principal característica desse segmento é a parte inferior da fuselagem do avião com formato semelhante ao casco de um barco.

E o novo avião da AVIC é um barco voador e tanto: a aeronave tem 36,9 metros de comprimento por 38,8 m de envergadura e pode decolar com peso máximo de 53.500 kg. Tal porte (exceto pelo peso máximo de decolagem) é semelhante ao de um Boeing 737-700, como os usados pela companhia aérea Gol.

O barco voador chinês também apresenta bons números de desempenho. Segundo a AVIC, o aparelho é projetado para voar a velocidade máxima de 570 km/h a 10.500 metros de altitude e tem autonomia para percorrer até 4.500 km.

Por que um avião anfíbio tão grande?

O AG600 é desenvolvido para voar nas mãos de civis ou militares. Conforme dados do fabricante, o avião pode transportar 50 passageiros ou então embarcar 12 toneladas de cargas. Essa capacidade é mais do que bem-vinda para o abastecimento e operações logísticas das polêmicas ilhas artificiais que a China vem erguendo na região do Mar do Sul da China.

A parte inferior da fuselagem do AG600 é como o casco de um barco (Xinhua)
A parte inferior da fuselagem do AG600 é como o casco de um barco (Xinhua)

Outras funções importantes do avião anfíbio chinês serão missões de busca e resgate e a capacidade de combater incêndios. Para atuar nessa tarega, o AG600 será equipado com um sistema capaz de bombear mais de 12.000 litros de água para reservatórios na aeronave em apenas 20 segundos.

A AVIC já recebeu 16 encomendas pelo AG600, todas oriundas da China. O fabricante, porém, ainda não divulgou a identidade dos futuros operadores da aeronave.

Soviéticos já foram mais longe

O AG600 é o maior avião anfíbio da atualidade, mas não o maior de todos os tempos que já voou. Esse título pertence ao Beriev A-40 Albatros, projeto iniciado nos tempos da antiga União Soviética e cujo retorno vem sendo cogitado pelo governo russo nos últimos anos.

O retorno do Beriev A-40 vem sendo cogitado na Rússia (Yevgeny Pashnin)
O retorno do Beriev A-40 vem sendo cogitado na Rússia nos últimos anos (Yevgeny Pashnin)

O Albatros voou pela primeira vez em 1986, mas o projeto acabou suspenso após o colapso da União Soviética, em 1991. A aeronave, porém, deixou sua marca na história da aviação e estabeleceu 140 recordes em sua categoria, entre eles a de avião anfíbio mais rápido do mundo com a marca de 800 km/h e de maior porte nesse nicho

O A-40 mede 43,8 metros de comprimento por 41,6 m de envergadura de asas. Já seu peso máximo de decolagem fica em torno de 86.000 kg. Diferentemente do AG600, o avião anfíbio da Beriev foi projetado para operar como avião de guerra anti-submarino.

Nota do editor: vale lembrar que um avião anfíbio é diferente de um hidroavião, que só pode operar a partir da água.

Veja mais: Primeiro e único voo do gigante Spruce Goose completa 70 anos

Total
1
Shares
2 comments
  1. Linda aeronave! E por falar em Aviação Anfíbia, assunto esse com pouca ênfase em terras Brasileiras. Acredito que parte da solução da aviação regional na Amazônia passa necessariamente pela AVIAÇÃO ANFÍBIA que nunca é incentivada e desenvolvida na região que concentra o maior número de rios do mundo. Temos muito que aprender com o Canadá e sua aviação anfíbia onde linhas de baixa demanda, linhas sociais e essenciais atuam nas mais remotas áreas. E observe que lá no Canadá, as condições climáticas são muito piores. Hoje, existem aeronaves anfíbias para todos os segmentos e capacidades! 4, 6, 9, 16, 44 e 73 passageiros. Os incentivos para a aviação regional na Amazônia deveriam ser, em boa parte, direcionados para os anfíbios, uma vez que, todas as pistas dos aeroportos já estão prontas, basta um porto de atracação. Quanto ao assunto da matéria, a China continua acelerando a sua indústria aeronáutica e espacial, muito possivelmente se tornará a terceira força no setor mundial. Saudações,

  2. Muito boa a sua observação. A Amazônia brasileira deveria usar intensivamente aviões anfíbios, visto ser uma área que possui a maior rede fluvial do planeta. È somente os políticos conhecerem melhor o Brasil, coisa que deveremos ensinar a eles colocando-os em sala de aula de BRASIL.

Comments are closed.

Previous Post
A Azul iniciou seus voos comerciais com o A320neo em dezembro de 2016 (Airbus)

Azul e Correios querem criar nova empresa de transporte de cargas

Next Post

MAP Linhas Aéreas planeja voos para o exterior em 2018

Related Posts