Em forma de V, o avião conceitual da KLM pode ser até 20% mais eficiente que os jatos comerciais atuais (KLM)

A companhia aérea holandesa KLM, em parceria com a Universidade de Tecnologia de Delf (TU Delft), completou recentemente o primeiro voo de teste com um modelo em escala do Flying-V, uma aeronave com design futurista e que promete ser altamente eficiente em consumo de combustível.

O conceito foi apresentado pela KLM há um ano e meio, durante as celebrações dos 100 anos da empresa aérea da Holanda, a mais antiga do mundo que permanece em atividade. No mês passado, uma equipe de pesquisadores, engenheiros e um piloto de drone da TU Delft viajaram para uma base aérea na Alemanha, onde foi realizado o primeiro voo do aeromodelo. A fabricante Airbus também participa do projeto.

“Estávamos muito curiosos sobre as características de voo do Flying-V. O design se encaixa em nossa iniciativa Fly Responsably, que representa tudo o que estamos fazendo e faremos para melhorar nossa sustentabilidade. Queremos um futuro sustentável para a aviação e a inovação faz parte disso. A KLM está entre as três companhias aéreas mais sustentáveis do mundo no Índice Dow Jones de Sustentabilidade por muitos anos. Queremos continuar a ter esse protagonismo no futuro”, disse Pieter Elbers, presidente e CEO da KLM.

O Flying-V é um projeto para uma aeronave de longa-distância com grande eficiência energética. O design da aeronave integra a cabine de passageiros, compartimento de carga e tanques de combustível nas asas, criando um formato em V. Cálculos de computador previram que a forma aerodinâmica aprimorada e o peso inferior da aeronave reduzirão o consumo de combustível em 20% em comparação com as aeronaves mais avançadas de hoje.

“Você não pode tornar o setor de aviação mais sustentável sozinho, é preciso fazer isso juntos”, diz Elbers. “Colaborar com parceiros e compartilhar conhecimento nos leva mais longe. É por isso que continuaremos aprimorando o Flying-V com todos os parceiros. O próximo passo será voar o Flying V com combustível sustentável”, completa.

O projeto da KLM tem a participação da universidade holandesa TU Delf e da Airbus (KLM)

Veja mais: Conheça o Atobá, o primeiro drone militar fabricado no Brasil