Presidente da Airbus diz que jato chinês C919 é um competidor sério

Guillaume Faury, CEO da Airbus, diz que está acompanhando a evolução do jato chinês, mas não espera uma competição iminente
COMAC C919
O C919 é o primeiro jato comercial desenvolvido inteiramente na China (COMAC)

Um dos aviões comerciais mais aguardados, o jato chinês C919 da fabricante estatal chinesa COMAC deve receber a certificação operacional em seu país de origem até o final deste ano e finalmente ter a chance de estrear no mercado.

A aeronave está na fase final de testes e atualmente tem pedidos relevantes apenas de empresas aéreas da China. Apesar disso, o CEO da Airbus, Guillaume Faury, não descarta o jato chinês na competição dos jatos de corpo estreito, onde reina a dupla Airbus A320 e Boeing 737.

Em teleconferência sobre os resultados financeiros da Airbus na quinta-feira (18), Faury mencionou que o C919 é um produto que deve ser levado a sério.

“Existem muitos desafios e acho que é muito cedo para dizer até que ponto (a COMAC) será capaz de competir com a Boeing e a Airbus. Mas os estamos levando a sério e observando cuidadosamente o que está acontecendo lá”, disse o CEO da Airbus.

Apesar disso, Faury não espera uma competição iminente com o novo jato chinês, destacando que “vai demorar para o C919 encontrar o seu lugar”. O executivo ainda acrescentou: “Vimos outros participantes em outras regiões importantes do mundo tentando entrar no mercado regional, ou mesmo na aviação comercial, sem sucesso.”

Avião chinês para o mercado chinês, ao menos por enquanto

A princípio, é improvável que o C919 represente uma ameaça séria e imediata às vendas do Airbus A320 e do Boeing 737. As duas fabricantes ocidentais estão bem estebelecidas no mercado e cultuvam bons relacionamentos com seus clientes. Em contrapartida, a COMAC ainda não conseguiu atrair compradores de fora da China para seu novo produto.

O C919, porém, deve ter uma rápida adesão na China, o que por si só já um avanço importante. O mercado chinês de aviação comercial deve se tornar o maior do mundo até o final desta década, superando os EUA.

A COMAC diz ter mais de 800 pedidos pelo C919 e tem como meta entregar 2.000 aeronaves do tipo nos próximos 20 anos. Até o momento, a única empresa do Ocidente que demonstrou interesse no jato chinês foi a Ryanair, a maior companhia aérea da Europa, embora nenhum acordo tenha sido oficializado.

Veja mais: Companhias aéreas e incomuns que realmente existiram

Total
36
Shares
Previous Post

‘Jato executivo’ da British Airways, único A318 fez voo de despedida nesta semana

Next Post
Dassault Rafale

Caça Rafale corta linhas de transmissão e causa incêndio na França

Related Posts