Romênia suspende voos com caças MiG-21 e acelera compra de modelos F-16

Força aérea romena prepara compra de 32 caças F-16 de segunda mão da Noruega; MiG-21 voa na Romênia há quase 60 anos
Últimos dias do MiG-21 na Romênia: país ainda tem cerca de 30 aeronaves em condições de voo (Cristian Ghe/Wikimedia)

O Ministério da Defesa da Romênia anunciou na última sexta-feira (15) a suspensão das atividades de voo dos caças MiG-21 LanceR da Força Aérea Romena. Ao mesmo tempo, Bucareste informou que tomou medidas para acelerar o processo de compra de 32 jatos F-16 de segunda mão da força aérea da Noruega.

A autoridade romena diz que a medida foi tomada devido a “incidência considerável de eventos e acidentes” com os antigos caças de origem russa. No mês passado, um MiG-21 romeno caiu no leste do país a cerca de 100 km da fronteira com a Ucrânia. A missão de resgate para encontrar o piloto também resultou em tragédia, com a queda do helicóptero de busca na mesma região. Os dois acidentes deixaram oito militares romenos mortos.

O Ministério ressaltou que a suspensão dos MiG-21 não afeta as missões de policiamento aéreo no país e que elas continuam sendo operadas por um esquadrão de caças F-16 – são 17 jatos, 14 modelos F-16A e três F-16B, adquiridos de Portugal em 2006.

Sobre a chegada de mais caças F-16 (modelos A e B) de estoques da Noruega, o gabinete de defesa da Romênia informou que o projeto de aquisição das aeronaves passou pela fase de transparência legislativa e deve ser apresentado ao parlamento romeno em breve.

O programa LanceR da Elbit Systems ampliou a vida útil dos MiG-21 romenos (Mihai Zamfirescu/Wikimedia)

Com a chegada de mais 32 caças, o Ministério da Defesa pretende formar três esquadrões com modelos F-16 da força aérea romena. O comunicado cita ainda que as aeronaves devem ser operadas por no mínimo 10 anos e servirão de transição para os F-35 de quinta geração – a Romênia ainda negocia a compra da aeronave de última geração.

Herança soviética com upgrade de Israel

Os caças MiG-21 são uma das últimas peças da herança soviética na força aérea da Romênia, que recebeu os primeiros aparelhos em 1963. Nesse tempo, o país era um dos membros da extinta aliança militar do Pacto de Varsóvia, liderado por Moscou.

Após a queda da União Soviética, a Romênia fortaleceu seus laços com o Ocidente até entrar para a OTAN, em 2004. Com os novos aliados, as forças romenas passaram a renovar seus arsenais com equipamentos ocidentais, embora num ritmo reduzido por falta de verbas.

Sem recursos para adquirir novas aeronaves, a força aérea romena optou na década de 1990 por renovar os MiG-21, por meio programa LanceR desenvolvido pela israelense Elbit Systems. Entre 1993 e 2002, 110 caças da frota romena passaram pela atualização, que incluiu aviônicos digitais e sistemas de armas de maior alcance.

F-16 romeno: país comprou modelos usados da Força Aérea de Portugal (VictorCozmei/Wikimedia)

O Ministério da Defesa da Romênia não comentou se a suspensão dos voos com os MiG-21 tem relação com o conflito em curso na Ucrânia contra forças russa. Todavia, com o perigo na fronteira ao lado, a compra dos F-16 da Noruega, em negociação desde 2021, agora pode ser um assunto urgente no país.

Total
15
Shares
Previous Post

Jato regional SpaceJet tem um de seus protótipos desmontado

Next Post

Encalhado há 10 anos, Boeing 747-8 executivo pode ser sucateado nos EUA

Related Posts
Total
15
Share