Rússia faz nova proposta para oferecer caças MiG-35 à Argentina

Além dos 12 aviões de combate para a Força Aérea, a UAC teria incluído uma unidade de manutenção e treinamento no país sul-americano, de acordo com site
MiG-35: caça superior, mas ‘pós-venda’ assusta (UAC)

Embora tenha o caça sino-paquistanês JF-17 como virtual favorito, a compra de 12 aeronaves de combate pela Força Aérea da Argentina (FAA) ganhou novos contornos, segundo fontes do site Zona Militar.

A United Aircraft Corporation (UAC), empresa responsável pela Mapo-MiG, teria melhorado sua oferta dos jatos supersônicos MiG-35 a fim de vencer a concorrência.

De acordo com o Zona Militar, a Rússia assumiria o compromisso de construir uma unidade de manutenção e um centro de treinamento na Argentina sem custos extras.

A inclusão desses itens na proposta teria sido solicitada pela FAA e revela uma preocupação comum com equipamentos bélicos originários da Rússia, que costumeiramente apresentam problemas como baixa disponibilidade e falta de peças de reposição.

O caça JF-17, feito pela China e o Paquistão, seria o favorito na Argentina (Shimin Gu)

Versão melhorada do MiG-29

Equipado com dois motores RD-33MK e aviônicos mais modernos incluindo um radar AESA, tecnicamente o MiG-35 é o candidato mais forte da concorrência argentina.

Segundo a UAC, a aeronave de combate é uma versão aprimorada do MiG-29, com menor assinatura de radar, capacidade de transporte de armamentos ampliada e custo de hora de voo bem menor que seu antecessor.

Apesar disso, o jato não possui clientes no exterior ainda. Embora a proposta russa não seja pública, estima-se que o MiG-35 custaria mais que os US$ 664 milhões disponibilizados pelo governo da Argentina para a aquisição de 12 aeronaves.

A Força Aérea do país vizinho está sem um caça genuíno desde 2015, quando aposentou os últimos Mirage III. Desde então, o governo tenta adquirir aeronaves no exterior, mas esbarrou em restrições orçamentárias e também no boicote do Reino Unido ao fornecimento do jato sul-coreano FA-50, que utiliza assentos ejetáveis britânicos.

Total
128
Shares
5 2 votes
Article Rating
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Paraná
Paraná
9 meses atrás

Mas vender seja qual for o produto para a Argentina ? Só quer levar calote

Cláudio AlfaZebra
Cláudio AlfaZebra
9 meses atrás

Uma grande fria comprar jatos russos, veja o que a FAB passa para manter os Mi Sabre…

Previous Post

Com estreia em Congonhas, ITA dá passo mais agressivo em sua estratégia

Next Post

Breeze apresenta seu primeiro Airbus A220-300

Related Posts
Total
128
Share