O GlobalEye foi apresentado com as cores de seu primeiro cliente, a força aérea dos Emirados Árabes Unidos (SAAB)

O GlobalEye foi apresentado com as cores de seu primeiro cliente, a força aérea dos Emirados Árabes Unidos (SAAB)

A Saab apresentou nesta sexta-feira (23) em sua sede em Linköping, na Suécia, o novo avião de vigilância GlobalEye AEW & C (sigla em inglês para “Aeronave de Alerta Antecipado e Controle Aéreo”). O modelo equipado com um radar de longo alcance na parte superior da fuselagem é baseado no jato executivo Global 6000 fabricado pela Bombardier. A primeira unidade da aeronave foi apresentada com as cores de seu primeiro cliente, a força aérea dos Emirados Árabes Unidos.

O grande antena de radar que o GlobalEye transporta é o sistema Erieye ER, desenvolvido pela Saab Electronic Defence Systems (ex-Ericsson Microwave Systems). Segundo o fabricante, o equipamento pode encontrar outras aeronaves voando a cerca de 650 km de distância. O novo “avião-radar” da Saab ainda é projetado realizar patrulhas com varreduras terrestres e também em regiões marítimas.

Como explica o fabricante sueco, o GlobalEye é equipado com um “conjunto abrangente de sensores”, incluindo equipamentos de inteligência e sistemas de auto-proteção. A exemplo do Global 6000, um jato executivo de longo alcance (10.800 km, segundo dados da Bombardier), o novo jato militar tem autonomia estimada em 11 horas de voo.

O contrato de desenvolvimento e produção do GlobalEye entre a Saab e a força aérea dos Emirados Árabes Unidos foi assinado em novembro de 2015, durante o Dubai Air Show. A nação do Oriente Médio por hora é o único comprador da aeronave, com um pedido por três unidades. O país também tem em sua frota duas unidades do turbo-hélice Saab 340 AEW&C, com uma versão anterior do radar Erieye (em processo de atualização).

O radar do GlobalEye possui uma série módulos que permitem acompanhar centenas de objetos (SAAB)

O radar do GlobalEye possui uma série módulos que permitem acompanhar centenas de objetos (SAAB)

Segundo a Saab, o voo inaugural do GlobalEye será realizado até o final deste ano.

Brasil tem avião parecido

Um dos aviões mais avançados da Força Aérea Brasileira (FAB), o Embraer EMB-145 AEW&C, (ou E-99 na designação militar) possui a mesma concepção do GlobalEye e não por acaso também é equipado radar sueco Erieye.

O sistema utilizado no E-99 pode encontrar e vigiar aeronaves (ou até mesmo mísseis) em diferentes altitudes e velocidades ou outras ameaças terrestres ou no mar a cerca de 450 km de distância. A FAB conta atualmente com cinco unidades do EMB-145 AEW&C.

O "avião-radar" E-99 pode localizar aeronaves a cerca de 400 km de distância (FAB)

O “avião-radar” E-99 da FAB pode localizar aeronaves a cerca de 400 km de distância (FAB)

O jato de vigilância da Embraer, baseado no modelo comercial ERJ-145, também foi exportado equipado com o sistema Erieye para a Índia (3 unidades), México (3) e Grécia (4). O projeto do EMB-145 AEW&C também prevê a possibilidade de equipar a aeronave com sistema de reabastecimento aéreo para aumentar sua autonomia, solução que está sendo testada atualmente nos modelos indianos.

Aviões de vigilância como o GlobalEye ou o EMB-145 AEW&C, que utilizam a antena de radar fixa, são considerados uma opção de baixo custo nesse segmento, mas com ótimo desempenho operacional. Aeronaves nesse nicho com desempenhos e capacidades operacionais superiores (e também custos maiores) utilizam radares montados em antenas rotativas, como é o caso dos Boeing E-3 Sentry e E-767.

O radar do E-3 Sentry pode encontrar aeronaves inimigas a 450 km de distância (USAF)

O radar rotativo do E-3 Sentry pode encontrar aeronaves a 650 km de distância (USAF)

Veja mais: Marinha do Brasil confirma compra de porta-helicópteros britânico