Sombra do A321neo? Ryanair suspende negociação com a Boeing por 250 jatos 737 MAX 10

Companhia aérea de baixo custo irlandesa considerou preço pedido pela fabricante muito elevado, colocando a potencial encomenda de US$ 33 bilhões em suspense
A Ryanair possui 210 pedidos firmes do 737 MAX (Divulgação)

A companhia de baixo custo Ryanair fez um anúncio nesta segunda-feira (06) afirmando ter encerrado as negociações com a Boeing para um potencial pedido de cerca de 250 aeronaves 737 MAX 10, a maior versão da família. O motivo, segundo ela, é o preço elevado pedido pela fabricante dos EUA.

A divulgação do fracasso nas negociações surpreendeu o mercado e foi vista como uma pressão da empresa sediada em Dublin sobre a Boeing, que passa por uma longa crise de imagem.

Acossada pelo sucesso do rival A321neo, a Boeing poderia dar uma resposta à altura ao anunciar uma encomenda cotada em US$ 33 bilhões em preço de lista.

Vale lembrar que a Ryanair não é qualquer cliente da Boeing. A empresa comandada pelo executivo Michael O’Leary tem 210 pedidos firmes do 737 MAX 8-200, variante de alta densidade do narrowbody.

O CEO inclusive defendeu a aeronave durante os piores momentos em anos recentes quando a Boeing não conseguia convencer as autoridades de aviação civil a liberar o 737 MAX para o retornar a voar.

O Boeing 737 MAX 10 pode levar 230 passageiros em configuração normal

A Ryanair não só se manteve firme como cliente, como aumentou seu pedido no final do ano passado. O primeiro 737 MAX 8-200, no entanto, só foi entregue em junho.

“Estamos desapontados por não podermos chegar a um acordo com a Boeing em um pedido do MAX10. No entanto, a Boeing tem uma visão mais otimista em relação aos preços das aeronaves do que nós e temos um histórico disciplinado de não pagar preços elevados por aeronaves”, afirmou cinicamente O’Leary.

A Ryanair demonstrou interesse pelo maior dos 737 em fevereiro. Já naquela época, O’Leary deixava claro que merecia um belo desconto. “A Airbus agora tem 12 a 18 meses de vantagem sobre a Boeing em termos de pedidos de aeronaves, e o ponto de partida para recuperar a liderança devem ser os maiores clientes, a Southwest e a Ryanair. Esperamos estar à frente da fila”, disse.

Não há dúvida que as conversas deverão ser retomadas em breve, afinal nem Ryanair deve preferir optar por uma aeronave de outro fabricante (e com isso abrir mão da padronização de frota) nem a Boeing perder uma encomenda tão significativa. Até lá, ficará claro quem é que possui mais poder de persuasão.

Total
13
Shares
Previous Post

Marinha do Paquistão incorpora o primeiro Embraer Lineage 1000, que será avião de patrulhamento marítimo

Next Post

Lufthansa anuncia Toronto como primeiro destino do Boeing 787

Related Posts