Startup Hermeus apresenta e testa seu primeiro protótipo de avião hipersônico

Batizado de ‘Quarterhorse’, aeronave não tripulada acionou motor J85 em evento com convidados, mas servirá apenas para testes estáticos
O protótipo estático do Quarterhorse (Hermeus}

A corrida para viabilizar novos jatos de passageiros supervelozes ganhou mais um capítulo nesta semana nos EUA. A startup Hermeus apresentou o primeiro protótipo da sua aeronave batizada de “Quarterhorse”, uma analogia aos cavalos Quarto de Milha, conhecidos pela velocidade.

O jato não tripulado será capaz de voar não a velocidades supersônicas, mas sim hipersônicas. A meta da Hermeus é conseguir atingir Mach 5, ou mais de 6 mil km/h.

Os fundadores da empresa imaginam que o modelo de produção em série chegará ao mercado até o final da década, tornando real a possibilidade de viajar entre Nova York e Londres em apenas 90 minutos – contra 7 horas atualmente.

Para conferir mais dramaticidade e emoção à apresentação do Quarterhorse, a startup acionou o motor J85, um turbojato bastante conhecido por equipar o caça F-5 Tiger II.

Aeronave é equipada com um motor J85, semelhante ao do F-5 Tiger II (Hermeus)

No entanto, o avião revelado nesta semana é apenas um protótipo estático, que foi construído em apenas quatro meses para testar os processos de manufatura. Ainda assim, a Hermeus quer fazer voar um primeiro jato em 2022, mas ainda sem fornecer detalhes sobre os planos.

Para obter uma velocidade tão elevada, a fabricante usará uma tecnologia chamada de TBCC (Turbine-Based Combined Cycle), que traduzindo de forma genérica significa combinar um motor turbojato comum com um Ramjet ou Scramjet.

Apoio da Força Aérea dos EUA

Eis aí o grande desafio dos aviões hipersônicos já que é preciso ter a capacidade de propulsão em baixas velocidades e altitude, mas também em grande altitude a fim de atingir Mach 5. Hoje os poucos projetos de alta velocidade são levados a bordo de aviões convencionais e lançados do ar.

Com o TBCC, o motor turbojato fará o papel de tirar a aeronave do solo enquanto o Scramjet assumirá o papel de leva-lo a velocidades elevadas. Isso porque esse tipo de motor não possui partes móveis como fans ou compressores já que em grande altitude o deslocamento muito acima da velocidade do som já faz o papel de aquecer e comprimir o ar.

Apesar de ter sido criada há pouco tempo, a Hermeus já conta com o suporte da Força Aérea dos EUA, que investiu US$ 60 milhões no projeto neste ano.

“Há menos de três anos, isso parecia quase impossível. E passou de quase impossível, para possível, para provável hoje, e espero que em breve, vôo real ”, disse Vinod Khosla, bilionário que foi um dos co-fundadores da Sun Microsysyems e está por trás da nova startup.

“Quando uma empresa aeroespacial normalmente apresenta uma nova aeronave, ela nada mais é do que isopor e fibra de vidro”, disse Skyler Shuford, Chefe de Operação da empresa. “Mas na Hermeus, buscamos produtos integrados. E nós realmente gostamos de fazer ‘fogo’”.

Total
25
Shares
Previous Post

Airbus faz voo em formação com dois A350 para testar conceito sustentável

Next Post

Gol marca volta dos voos para os EUA para maio de 2022

Related Posts