ATR chega aos 40 anos como sobrevivente no mercado

Empresa, fundada em 4 de novembro de 1981 como uma parceria entre a Aerospatiale e a Aeritalia, já entregou mais de 1.800 aeronaves
Turboélice ATR: 40 anos da fundação da empresa

Foi no dia 4 de novembro de 1981 que uma iniciativa conjunta entre a francesa Aerospatiale e a italiana Aeritalia deu origem a um nome que passaria os 40 anos seguintes como sinônimo de turboélice de passageiros, a ATR (Avions de Transport Régional).

Embora as duas empresas tivessem bastante experiência na indústria, nada garantia que a aeronave desenvolvida por elas, o precursor ATR 42, faria sucesso.

Isso porque no início dos anos 80 outros fabricantes mais estabelecidos no segmento de aviação regional também se movimentavam com novos aviões como o Dash 8, da de Havilland Canada, o holandês Fokker 50 e o brasileiro EMB 120 Brasilia.

Mas quatro décadas depois, os turboélices ATR seguem como os mais populares aviões da classe e únicos a continuar em produção ininterrupta desde então.

A ATR não apenas segue na ativa, com quatro versões à venda, incluindo um modelo cargueiro, como já entregou cerca de 1.800 aeronaves, muito acima da família Dash 8, com aproximadamente 1.250 unidades – a linha de montagem, no entanto, foi desativada momentaneamente.

O protótipo do ATR 42 voou pela primeira vez em 1984 (ATR)

Turboélice de carga: ATR 72-600F é certificado na Europa

Com seu layout de asa alta, motores PW120 e capacidade para pouco mais de 40 passageiros, o ATR 42 se mostrou uma boa aeronave desde o princípio, com boa capacidade, alcance e velocidade.

Mas talvez o que diferencia a fabricante franco-italiana é o fato de ter sempre aprimorado seus produtos durante os 40 anos e mantendo um bom suporte de pós-venda.

Os turboélices ATR ganharam versões mais eficientes e dedicadas e quando o mercado pedia por jatos, a empresa já vendia o ATR 72, uma variante com cerca de 70 assentos e que se transformou no maior sucesso da linha, com mais mil unidades produzidas.

Na década de 90, a ATR decidiu atualizar o avião turboélice e substituiu seus motores por versões mais potentes e os equipou com hélices de seis pás além de outras melhorias internas.

Concorrentes pereceram

Nesse meio tempo, vários outros concorrentes pereceram. A tradicional Fokker faliu em 1997 com 213 turboélices Fokker 50 produzidos, já a Saab desistiu da família 340/2000 dois anos depois.

Os britânicos da BAe, por sua vez, tentaram emplacar os modelos Jetstream 31/41 e ATP, mas também fracassaram.

A Embraer, por outro lado, se não teve grande aceitação do EMB 120 Brasilia, um turboélice para apenas 30 passageiros, preferiu migrar para o nascente mercado de jatos regionais, onde reina até hoje.

Apenas o Dash 8 conseguiu rivalizar em alguns momentos com os ATR, mas a Bombardier deu mais ênfase aos jatos CRJ e ao programa CSeries, hoje o A220, da Airbus.

O Fokker 50 foi um dos rivais que ficaram pelo caminho (Flo Weiss)

Mais do que bater seus concorrentes, o grande desafio da ATR foi sobreviver a uma tendência de rejeição de muitos passageiros aos turboélices, mais evidente nos EUA.

Felizmente, a tecnologia e a demanda sustentável têm colocado os turboélices de volta ao jogo. A própria Embraer se prepara para lançar um modelo de grande porte, com capacidade para até 90 assentos.

Quanto à ATR, hoje controlada pela Airbus e Leonardo, a meta é tornar seus aviões capazes de emitir zero poluentes até 2050, quando a fabricante terá quase 70 anos.

Total
37
Shares
4.3 3 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
29 dias atrás

Não diria que a Embraer reina até hoje no mercado de jatos regionais, porque a surra nas vendas que o A220 tem dado no E2 é até triste.

Previous Post

Último Boeing 747 pode ser entregue em outubro de 2022

Next Post

Jato E195-E2 eleva receita da Embraer no 3º trimestre

Related Posts