Boeing usa calor para higienizar cabines: “estamos cozinhando o vírus”

Universidade do Arizona e equipes da Boeing testaram um novo dispositivo que usa alta temperaturas na cabine de comando de aviões para combater a Covid-19
Cabine de comando - Boeing 787
Altas temperaturas são eficazes na eliminação de vírus na cabine de aviões, aponta novo estudo da Boeing
Cabine de comando - Boeing 787
Altas temperaturas são eficazes na eliminação de vírus na cabine de aviões, aponta novo estudo da Boeing

A Boeing e a Universidade do Arizona demonstraram que a aplicação de calor às superfícies, especialmente em equipamentos da cabine de comando, elimina, de forma efetiva, o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19.

Os resultados indicam que o vírus pode ser destruído em mais de 99,99% após a exposição de três a temperaturas de 50°C. “Na verdade, temperaturas a partir de 40°C já seriam efetivas em matar mais de 99,9% do vírus”, diz o comunicado da Boeing sobre o novo estudo.

“A segurança dos passageiros e da tripulação são nossas principais prioridades. Isso se estende por todas as áreas da aeronave”, afirmou Michael Delaney, que lidera os esforços da Iniciativa Viagem com Segurança (Confident Travel Initiative – CTI) da Boeing. “A desinfecção térmica pode fornecer uma nova ferramenta bastante valiosa de destruição do vírus da COVID-19 em componentes sensíveis e de difícil acesso que protegem os pilotos”.

Os testes foram conduzidos em laboratórios protegidos da Universidade do Arizona usando o mocape de uma cabine de comando e amostras do novo coronavírus, explicou a fabricante, acrescentando que os testes são uma resposta da empresa “às necessidades das companhias aéreas para ampliar a segurança e o bem-estar de passageiros e tripulações durante a pandemia”.

“Estamos basicamente cozinhando o vírus”, explicou o Doutor Charles Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona e especialista em doenças infecciosas. “A desinfecção térmica é uma das formas mais antigas de matar microrganismos causadores de doenças. É usada por microbiologistas em nosso laboratório todos os dias”.

A cabine de comando é uma das áreas mais complexas em termos de higienização com desinfetantes químicos tradicionais. Em painéis com equipamentos eletrônicos sensíveis, o calor tem a capacidade de desinfetar sem os efeitos adversos dos produtos de limpeza, aponta o estudo da Boeing em parceria com a Universidade do Arizona.

“A cabine de comando foi projetada para suportar temperaturas de até pouco mais de 71°C, o que torna a desinfecção térmica um método de higienização seguro, prático e eficaz”, esclarece a Boeing.

Veja mais: Pilotos de linha aérea têm prioridade na campanha de vacinação nos EUA

Total
19
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fernando
Fernando
11 meses atrás

Penso que as autoridades já deveriam ter liberado os Boeings 737 max, o enorme prejuízo tanto do lado da fabricante quanto das empresas aéreas, sei também da cautela que os órgãos responsáveis estão tendo, porque há vidas em jogo.

Previous Post

Com motores russos PD-14, jato comercial MC-21-310 voa pela primeira vez

Next Post
ATR 72-600F - FedEx Express

FedEx recebe o primeiro cargueiro ATR 72-600F do mundo

Related Posts