Concorrente da Embraer, Mitsubishi deve manter apenas 150 funcionários em 2021

Duramente abalada pela crise do coronavírus, Mitsubishi Aircraft prepara um corte de 95% em seu quadro de funcionários
Jato SpaceJet: programa do rival da Embraer está naufragando (Mitsubishi Aircraft)
Mitsubishi SpaceJet
Jato SpaceJet: programa do rival da Embraer está naufragando (Mitsubishi Aircraft)

Com o desenvolvimento do programa SpaceJet paralisado por tempo indeterminado, a Mitsubishi Aircraft planeja uma redução drástica em seu quadro de funcionários. De acordo com a emissora japonesa NHK, a fabricante deve demitir 95% de sua força de trabalho, mantendo apenas cerca de 150 colaboradores. Os cortes devem começar em abril do próximo ano.

No final de outubro, o grupo Mitsubishi Heavy Industries (MHI) anunciou a suspensão no desenvolvimento dos jatos regionais SpaceJet M90 e M100 e o fechamento das instalações nos EUA, onde os protótipos eram testados.

O SpaceJet é atualmente o projeto de avião comercial mais atrasado do mundo. O programa, então chamado MRJ (Mitsubishi Regional Jets), foi lançado pela Mitsubishi em 2007 e as primeiras entregas eram programadas para 2013. No entanto, o primeiro voo do M90 (ainda chamado MRJ90) aconteceu somente em novembro de 2015.

Passados sete anos do prazo original de estreia, a Mitsubishi adiou o lançamento da aeronave seis vezes e até mudou o nome do avião. Antes da pandemia, a fabricante divulgou que planejava iniciar as entregas do M90 entre o final de 2021 e início de 2022, mas diante do contexto econômico atual dificilmente esses prazos devem ser alcançados.

“É objetivo de longo prazo da MHI expandir o negócio de aeronaves comerciais. No entanto, dado o atual status de desenvolvimento e as condições de mercado, não temos escolha a não ser pausar temporariamente a maioria das atividades da SpaceJet, exceto para a documentação de certificação de tipo”, informou o grupo japonês, que não se arrisca mais em divulgar novos prazos.

Nesse meio tempo, o grupo MHI ainda desembolsou US$ 550 milhões para adquirir o programa CRJ da Bombardier, hoje rebatizado como MHI RJ. A negociação foi concluída em junho.

Os modelos da família SpaceJet competem na mesma categoria dos jatos regionais da Embraer. No entanto, para a disputa acontecer de fato, o avião japonês precisa ficar pronto e chegar ao mercado, algo cada vez mais incerto.

Veja mais: FAB vai receber quarta aeronave KC-390 da Embraer no próximos dias

Total
19
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcio Oliveira Leao
Marcio Oliveira Leao
1 ano atrás

Impressionante esse caso do Japão. Isso demonstra que a Embraer é, de fato, uma empresa competitiva e organizada. Evidente que o desenvolvimento de novas aeronaves necessita de incentivos governamentais (cada vez, mais restritos), porém se a empresa for competente no uso desses incentivos, gerará ingresso de divisas e produção de novas tecnologias. Parabéns, Embraer.

Previous Post
O KC-390 é proposto como uma alternativa ao antigo C-130 Hercules, da Lockheed Martin (FAB)

FAB realiza primeiro lançamento de paraquedistas a partir do KC-390

Next Post
Apesar da idade avançada, o Lockheed U-2 segue ativo em missões de espionagem aérea (Foto - USAF)

Veterano avião-espião U-2 voa com “co-piloto” de inteligência artificial

Related Posts