Embraer E175-E2

 O vazamento de dados da Embraer tem mais de 300 megabytes de arquivos (Embraer)

A Embraer admitiu nesta quarta-feira (9) que informações de seus bancos de dados foram comprometidas em razão do ataque cibernético sofrido pela empresa no mês passado.

Em fato relevante divulgado aos seus acionistas e ao mercado, a Embraer informou que restabeleceu a operação de todos os seus sistemas de tecnologia da informação que foram desligados temporariamente, como medida de precaução, devido ao ataque hacker.

“A Companhia segue investigando as circunstâncias do ataque e a quantidade de informações exfiltradas ou divulgadas, avaliando a existência de impactos sobre seus negócios e terceiros, bem como determinando e tomando as medidas cabíveis”, diz o comunicado da fabricante.

A Embraer ainda confirmou que recebeu um pedido de negociação de pagamentos no contexto do ataque cibernético, mas “não iniciou qualquer processo, bem como não realizou quaisquer pagamentos a terceiros supostamente envolvidos em tal incidente”.

Segundo o jornal O Globo, o vazamento de dados da Embraer, iniciado na segunda-feira (7), tem mais de 300 megabytes de arquivos, incluindo fotos, planilhas, informações de funcionários da empresa e documentos confidenciais sobre a venda de aviões Super Tucano para a Nigéria.

Ainda de acordo com a publicação, o ataque sofrido pela Embraer foi um ransomware, um tipo de software que contamina os computadores e restringe o acesso à rede para que seus autores possam cobrar um resgate de quem foi invadido.

Veja mais: Novo turboélice alemão D238eco chegará ao mercado em 2025