Embraer considera novas parcerias para promover o C-390 Millennium

Após o fracasso do acordo com a Boeing, fabricante brasileira explora novas possibilidade de parcerias para alavancar as vendas do jato militar
(FAB)
A FAB recebeu dois KC-390 em 2019 e neste ano deve receber mais dois aparelhos (FAB)

Após o fracasso no acordo de joint venture com a Boeing em abril, o presidente e CEO da Embraer, Francisco Gomes Neto, afirmou nessa segunda-feira, 1, em teleconferência sobre os ganhos do primeiro trimestre de 2020, que a fabricante está explorando novas possibilidade de parcerias para promover a aeronave militar C-390 Millennium.

Além da parceria da área de aviação comercial, Boeing e Embraer também planejavam criar um segundo empreendimento na área militar para alavancar as vendas do C-390 em outros países. A joint venture entre as duas empresas nesse setor, então batizada como “Boeing Embraer – Defense”, teria participação majoritária da fabricante brasileira.

“O plano de negócios original para o (KC-390) não incluía países como os EUA, por exemplo. Portanto, a perspectiva do mercado permanece positiva para o (C-390)”, disse o CEO da Embraer ao ser questionado na teleconferência por um repórter do Flight Global.

“E é claro, quero dizer, aqui também temos oportunidades para futuras parcerias. Mas, neste momento, ainda estamos no processo de avaliar alternativas e possíveis modelos de negócios”, acrescentou Gomes Neto.

O CEO da Embraer não citou nomes de potenciais colaboradores para o programa C-390, embora tenha mencionado China e Índia como possíveis parceiros na divisão de aviação comercial da empresa.

No entanto, diferentemente da área comercial, vincular a produção ou venda do C-390 à China ou à Índia envolveria questões de geopolítica. Um possível acordo da Embraer com empresas desses países poderia ser dificultado pelo EUA, sobretudo em relação a Pequim, que vem sendo atacada constantemente pela administração de Donald Trump em meio à crise do coronavírus.

Mais C-390 a caminho

A Embraer informou que possui atualmente cinco jatos C-390 em diferentes estágios de produção. Até o final de 2020, a fabricante prevê entregar mais dois exemplares à Força Aérea Brasileira (FAB), que encomendou um total de 28 aeronaves. No ano passado, a empresa entregou dois aparelhos para a FAB. Também está em andamento a produção do primeiro dos cinco cargueiros encomendados por Portugal no final de 2019.

Concepção artística do KC-390 com as cores da Força Aérea Portuguesa (Divulgação)

A divisão de defesa e segurança da Embraer gerou US$ 149 milhões em receita no primeiro trimestre de 2019, o que representa uma redução de 16,9% em relação ao mesmo período no ano passado.

Veja mais: Mitsubishi conclui aquisição dos jatos regionais CRJ da Bombardier

Total
90
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Carlos
Luiz Carlos
1 ano atrás

Que a joint-venture se tiver que acontecer, que seja com a Índia. Muito mais confiável. Negócio com a China é puro prejuízo. Querem apenas copiar a tecnologia e depois ter produção própria.

Previous Post

Infraero assume o Aeroporto do Guarujá pelos próximos dois anos

Next Post

Boeing vai entrar na justiça contra Embraer por fracasso no acordo de joint venture

Related Posts