Índia lança porta-aviões de tecnologia nacional

Primeira embarcação do gênero construída no país pode carregar mais de 40 aeronaves
INS Vikrant quando foi lançado ao mar pela primeira vez, em 2013
INS Vikrant quando foi lançado ao mar pela primeira vez, em 2013 (Foto – Reuters)
INS Vikrant quando foi lançado ao mar pela primeira vez, em 2013
INS Vikrant quando foi lançado ao mar pela primeira vez, em 2013 (Foto – Reuters)

A Marinha da Índia está tomando gosto por porta-aviões. O país declarou nessa quinta-feira (28) que novo navio-aeródromo “INS Vikrant”, de fabricação totalmente nacional, está totalmente operacional. O novo “orgulho da frota” indiana se junta a outras duas embarcações do tipo, o INS Viraat e INS Vikramaditya, que foram comprados usados da Inglaterra e Rússia, respectivamente.

A nova embarcação foi lançada no porto de Cochin, onde foi construído o maior estaleiro da Índia. Os primeiros trabalhos de design do Vikrant foram iniciados em 1999 e a construção começou em 2009 e terminou um ano antes do prazo inicial estipulado.

O INS Vikrant, que repete o nome do primeiro porta-aviões indiano (aposentado em 1997), pesa 40 mil toneladas e mede 260 metros por 60 m de largura. Segundo informações na marinha indiana, a nova embarcação comporta 36 aeronaves, incluindo os caças-navais russos MiG-29, e até 10 helicópteros.

Com todo esse porte o novo porta-aviões indiano passou a ser o quinto maior do mundo em capacidade de deslocamento, atrás de embarcações das marinhas da França, China, Rússia e Estados Unidos. Curiosamente, o navio indiano ultrapassou justamente o porta-aviões da Marinha do Brasil, o NAe São Paulo, que pode navegar com até 32 mil toneladas.

Maquete virtual do INS Vikrant (Foto - Marinha da Índia)
Maquete virtual do INS Vikrant (Foto – Marinha da Índia)

Veja mais: Embraer entrega primeira caça AF-1 à Marinha do Brasil

O Vikrant é impulsionado por quatro turbinas a gás e atinge uma velocidade de até 52 km/h. A autonomia da embarcação totalmente abastecido de combustível e suprimentos é de 15 mil quilômetros. O navio ainda carrega radares de longo alcance e possui mísseis de auto-defesa.

E a marinha indiana não parou por aí. A frota de porta-aviões da Índia, que já é a segunda maior do mundo atrás apenas dos EUA com 10 unidades, deve ganhar o reforço de mais uma embarcação do gênero em 2018. A Índia já está construindo um segundo navio-aeródromo nacional, ainda maior (de 65 mil toneladas), o INS Vishal.

Veja mais: Avião brasileiro carregado de drogas é abatido na Venezuela

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
9 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
A_Silva
A_Silva
6 anos atrás

Enquanto isso o “Huezil” só investindo sem para no PAC, Programa de Aceleração da Corrupção, se o porta aviões nacional São Paulo é considerado um sucatão e ineficiente, nós como um país quase que continental era fundamental termos porta aviões e submarinos descentes, mas nem um e nem outro, nação de mer…., o Brasil é um anão político como o cara lá de Israel disse, em outras palavras é um país patético.

Fabianoq
Fabianoq
6 anos atrás

Enquanto isso Dilma e seus comparsas destruindo a industria nacional e o Brasil tendo que importar de copos de vidro até feijão da China 🙂

djalma
djalma
6 anos atrás

É impressionante, mas seria mais impressionante se o país com mais miseráveis em todo o mundo, são mais de 600 milhões, direcionasse todo esse vigor justamente para combater a misérie de seu povo.

Hugo De Leon
Hugo De Leon
6 anos atrás

Este investimento bélico se justificaria para, por exemplo, proteger as águas brasileiras onde está o tal do Pré-sal. Lembram dele???? Àquela promessa de salvação da nossa educação e saúde! Mas, como já é publicamente sabido que é tudo mesmo uma grande MENTIRA, um engodo, uma falácia, visto que a gasolina continua subindo, a grana do FIES acabou, as Universidades Federais estão sucateadas, as escolas do PROUNI não recebem, a dengue campeia, os hospitais são uma piada, etc….. Sendo assim, não vai precisar mesmo. É tudo só uma grande piada, que não dá nem para rir!!!!!

Josué
Josué
6 anos atrás

O Brasil tinha que ter um porta-helicópteros para atender áreas de catástrofes, além do lado militar. Para os negativistas com o Brasil, o Brasil já fez fragatas, corvetas e 6 submarinos. Tudo feito por brasileiros. Pesquisem sobre o Arsenal da Marinha, um complexo industria da Marinha no RJ.

Vinicius
Vinicius
6 anos atrás

Enquanto isso no Brasil o dinheiro fica com os corruptos e também pra comprar seus eleitores com “pão e circo”. Tirar fome não é distribuir dinheiro mas dar emprego e preparo profissional a quem precisa. Bolsa família ajuda a combater a fome mas os beneficiários não progridem na vida e do que adianta essa CTI social?

André Sarmento
André Sarmento
6 anos atrás

Josué

E se a catástrofe ocorrer no Mato Grosso??? Que uso teria um porta-helicópteros????

Joao Ubaldo
Joao Ubaldo
6 anos atrás

Pelos comentários aqui vejo que muitos não acompanham o site, afinal muitos avanços estão ocorrendo em nossa indústria militar. Talvez não seja na velocidade ideal, mas comparar esforços militares da Índia, país que vive a décadas grandes tensões com o vizinho Paquistão, com o esforço militar brasileiro é um tanto estranho. Índia e Paquistão são potências atômicas mas com um nível de pobreza que supera e muito o Brasil atual. Vamos parar com esse vira-latismo que não produz críticas construtivas.

Gilberto W. Ladewig
Gilberto W. Ladewig
6 anos atrás

Enquanto isso, o povo lá como aqui vive na ilusão e miséria, explorado por um governo corrupto.

Previous Post
Rara imagem do Graf Zeppelin de quando pousou no Rio de Janeiro pela primeira vez

Primeiro voo do Zeppelin para o Brasil completa 85 anos

Next Post
O Super STOL com pneus especiais pode pousar praticamente em qualquer superfície

Super STOL, o avião que pousa em qualquer lugar

Related Posts