Itália vê fusão dos programas Tempest e FCAS

Jatos de combate de 6ª geração estão sendo desenvolvidos na Europa por grupos diferentes de nações a fim de substituir aeronaves como o Rafale e o Eurofighter Typhoon
Imagem conceitual do caça Tempest
Concepção artística do Tempest, projeto liderado pelo Reino Unido e com participação da Itália e Suécia (RAF)

Desenvolvidos em paralelo, mas com o mesmo objetivo, os programas Tempest e FCAS (Future Combat Air System) reeditam uma desavença da década de 80 quando a França não quis participar do projeto do caça EFA. Anos depois, a Dassault colocou em serviço o Rafale enquanto Alemanha, Reino Unido, Itália e Espanha adotaram o Eurofighter Typhoon.

Agora, a divisão europeia permanece, porém, mais equilibrada. De um lado, a França, Alemanha e Espanha investem no caça de 6ª geração New Generation Fighter (NGF), parte de um pacote que inclui uma nuvem de combate e uma plataforma aérea não tripulada.

Do outro estão o Reino Unido, Suécia e Itália, que acordaram em buscar sinergias para substituir os Typhoon e Gripens no futuro.

É justamente o chefe do Estado-Maior da Força Aérea da Itália, o general Luca Goretti, que afirmou na terça-feira (23) que os dois programas acabarão sendo fundidos no futuro.

O NGF e o Typhoon, que deverá ser substituído pelo novo caça (Airbus)

“É natural que essas duas realidades se fundam em uma, porque investir enormes recursos financeiros em dois programas equivalentes é impensável”, disse Goretti a parlamentares italianos.

Embora o Reino Unido tenha investido 2 bilhões de libras no projeto, todo o custo envolvido no programa certamente será muito maior e é natural que a conta seja dividida por mais parceiros.

O Tempest é desenvolvido pela BAE Systems, Rolls-Royce, Leonardo e conta com o apoio da MBDA e Saab. Já o FCAS une a Airbus, Dassault, Safran, MTU, Thales, MBDA e Indra.

Apesar do otimismo de Goretti, resta entender como o advento do Brexit afetará uma possível união. A saída dos britânicos da União Europeia ainda causa controvérsia, o que pode dificultar qualquer acordo.

Ambos os projetos almejam criar caças de 6ª geração, mais modernos e capazes que aeronaves como o Lockheed Martin F-35, por exemplo. A entrada em operação é estimada até 2040.

Total
72
Shares
Previous Post

Itapemirim cresce em passageiros transportados, mas ainda tem baixa ocupação

Next Post

Governo da Ucrânia vai lançar nova empresa aérea estatal

Related Posts