O A380 deve sair de cena enquanto o 748-8 permanecerá nas rotas de longo alcance da Lufthansa (Kiefer)

A Lufthansa deve promover mais um corte em sua frota de aeronaves de longo alcance. Após anunciar em abril que retiraria de serviço seis de seus 14 A380, além de cinco 747-400 e sete A340-600 agora a transportadora alemã estaria prestes a revelar a aposentadoria de toda a frota do jato de dois andares da Airbus.

A informação, antecipada pela Bloomberg, também envolve o fim das operações com os 747-400 remanescentes e a eliminação dos A340 menores, ou seja, a versão -300, dos quais restam 17 aviões.

Após a redução, restariam na frota da Lufthansa 17 A340-600 e 19 747-8, a variante mais moderna do ‘Jumbo’, além dos novos A350 (16 unidades) e 15 A330-300 mais antigos.

Caso seja confirmada, a nova redução fará com que o A380 seja usado apenas pela British Airways e a portuguesa Hi-Fly na Europa. Outra cliente importante do avião, a Air France, já retirou seus modelos de serviço meses atrás.

Segundo uma fonte na companhia aérea, os cortes na frota devem ultrapassar as 100 unidades e incluir até aviões encomendados. A empresa também deve cortar cerca de 22 mil empregos para sobreviver diante da queda na demanda de passageiros. Recentemente, o grupo Lufthansa recebeu um auxílio do governo de 9 bilhões de euros. Consultada pela Forbes, a companhia não quis comentar.

Por outro lado, a empresa é a cliente lançadora do novo Boeing 777X, maior birreator do mundo, mas só deverá contar com o jato em 2022. Ele deverá aposentar os 747-8 e A340-600 que permanecerem ativos até lá.

Projeção do Boeing 777-9 com as cores da Lufthansa (Divulgação)

Veja também: Jatos da Embraer lideram retomada de voos das associadas da Lufthansa