Porta-aviões HMS Queen Elizabeth da Marinha Real

Caças F-35B da RAF e do USMC no convés de voo do HMS Queen Elizabeth (Royal Navy)

Quinze caças Lockheed Martin F-35B da Força Aérea Real do Reino Unido (RAF) e do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC) embarcaram nesta semana no porta-aviões da marinha britânica HMS Queen Elizabeth para um grande exercício aeronaval.

Segundo o Ministério da Defesa do Reino Unido, o grupo reunido no Queen Elizabeth é a maior concentração de aviões de combate baseados num porta-aviões da Marinha Real desde o HMS Hermes em 1983.

Além de receber as aeronaves de decolagem curta e pouso vertical, o porta-aviões britânico de 65.000 toneladas de deslocamento também acomoda oito helicópteros multimissão Leonardo AW101 “Merlin”.

Acompanhado por outras embarcações da Marinha Real, o Queen Elizabeth e seus caças embarcados participarão do exercício militar “Joint Warrior” da OTAN na costa nordeste da Escócia.

Porta-aviões HMS Queen Elizabeth da Marinha britânica

(Dave Jenkins )

“O HMS Queen Elizabeth estará operando com o maior grupo aéreo de caças de quinta geração reunidos em qualquer lugar do mundo”, disse o Comodoro Steve Moorhouse, Comandante do UK Carrier Strike Group. “Liderado pela Marinha Real e apoiado pelos nossos aliados mais próximos, este novo dá força real à OTAN e envia um sinal claro de que o Reino Unido leva a sério o seu papel global”, acrescenta.

“A era das operações rápidas de porta-aviões de grande deck está de volta”, acrescenta o oficial comandante do Esquadrão 617 da RAF, comandante Mark Sparrow.

Um primeiro desdobramento operacional com o Queen Elizabeth e sua escolta aérea será conduzido em 2021. O Reino Unido também está construindo um segundo navio irmão do Queen Elizabeth, o HMS Prince of Wales.

Orgulho da Rainha

Os modelos classe Queen Elizabeth são os maiores porta-aviões já construídos no Reino Unido. A embarcação é projetada para receber caças V/STOL (de decolagem curta e pouso vertical), por isso ela não possui sistema de lançamento por catapultas. De acordo com a marinha britânica, o barco pode receber até 65 aeronaves, entre aviões de combate e helicópteros.

Veja mais: Novo caça brasileira, Gripen voou pela primeira vez há 32 anos