Versão de carga do Airbus A321 completa primeiro voo

Aeronave modificada pode transportar até 27 toneladas de carga; estreia comercial é esperada para outubro
(Divulgação)
O A321F é preparado para transportar até 27 toneladas de carga (Divulgação)

O antigo plano de converter jatos comerciais da família A320 da Airbus em cargueiros finalmente está ganhando forma. Voou nessa quarta-feira (22) em Singapura o primeiro A321F modificado para transportar cargas, informou o site Cargo Facts.

A aeronave convertida é um projeto da empresa alemã Elbe Flugzeugwerke (EFW), uma joint venture entre a Airbus e a ST Aerospace, companhia de Singapura especializada em conversões de aviões e manutenção aeronáutica. O grupo chama o programa de “A321P2F”, uma abreviação em inglês para “A321 de passageiro para cargueiro”.

O primeiro A321 transformado pela EFW é um veterano da aviação comercial. A aeronave (A321 número de série 835) foi entregue pela Airbus à extinta British Midland Airways em 1998 e passou por mais quatro companhias até encerrar a carreira no transporte de passageiros, em 2016.

O jato é propriedade da empresa de leasing Vallair, que vai alugar o avião à divisão de carga da empresa australiana Qantas Airways depois que o programa for certificado. A companhia pretende iniciar as operações com o aparelho até outubro deste ano.

A320, finalmente cargueiro

O lançamento de cargueiros baseados nos jatos comerciais A320 e A321 é aguardado há mais de 10 anos. Em 2008, a Airbus assinou um contrato firme com a empresa de leasing AerCap para converter 30 jatos A320/A321 na primeira edição do programa A320P2F. No entanto, em 2011, a fabricante suspendeu o projeto, citando a alta demanda pelas aeronaves no serviço comercial.

Em junho de 2015, o projeto A320P2F foi retomado pela EFW e no ano passado a Qantas foi anunciada como primeiro cliente do A320 cargueiro, com um pedido de três A321F.

Nova função: após 33 anos no mercado, os jatos da série A320 vão começar a explorar o setor de cargas (Airbus)

Ocupando o posto de avião comercial mais vendido do mundo, a família A320 da Airbus acumula mais de 9.000 unidades construídas em 33 anos de operações e ainda soma encomendas por mais de 6.000 aeronaves. Nessa imensidão de pedidos e jatos em serviço, nenhum deles se presta ao transporte de cargas.

A Airbus tem um atuação discreta e baixa adesão no segmento de aeronaves cargueiras. O site da fabricante anuncia os modelos A330-200F e o programa de conversão A330P2F, além do exótico BelugaXL. Por ser um produto da joint venture EFW, o A320P2F não é mencionado no portfólio do grupo europeu, ao menos por enquanto.

A Boeing, por outro lado, tem longa tradição na conversão de seus jatos comerciais para o transporte de carga. A fabricante americana oferece aeronaves novas (modelos 747F, 767F e 777F) e um programa de modificação para modelos 737.

Com uso de aeronaves cargueiras, a Azul Cargo Express espera um crescimento de 40% ainda neste ano (Azul)
A Azul Cargo opera dois jatos Boeing 737-400F (Azul)

A conversão de aeronaves comerciais da Boeing também é realizada por outras empresas. A mais destacada nesse ramo é a israelense IAI Aerospace, com experiências bem sucedidas em praticamente todos os jatos comerciais da empresa americana.

27 toneladas de carga

Em um mercado onde o peso vale ouro, a série A320F chega apresentando boas credenciais para competir na categoria de cargueiros médios, hoje dominado pelo Boeing 737.

Segundo dados da EFW, o A321F pode transportar até 27 toneladas de carga espalhadas por um compartimento com 208 m² – o porão de cargas do A320F tem 160,6 m² e comporta até 21 ton. A autonomia do jato é de até 3.520 km (o A320F tem alcance de 3.890 km), informa a companhia.

As versões de carga do 737 pode transportar cerca de 23 toneladas, mas o espaço para carga é menor. O compartimento do 737-400F, cargueiro mais comum nos aeroportos, tem cerca de 140 m², abaixo da capacidade oferecida no A320F. A EFW ainda sugere o A321F como uma opção para substituir antigos cargueiros baseados do Boeing 757, outro avião importante no setor de cargas.

O A321F é uma opção para substituir cargueiros Boeing 757 em fim de carreira (Timo Jager)

A empresa alemã diz que o A320 oferece uma base de “matéria-prima para conversão sem precedentes” com a alta disponibilidade de aeronaves no futuro – jatos A320 que serão desativados do serviço de passageiros nos próximos anos.

Outro programa de conversão do A321 em andamento é o A321PCF, desenvolvido pela “321 Precision Conversions”, um joint venture entre as companhias norte-americanas Precision Aircraft Solutions e Air Transport Services Group (ATSG). O primeiro jato convertido pelo grupo (outro A321 fabricado pela Airbus em 1998), está perto de ser finalizado e deve voar nos próximos meses..

A entrada do A320 no setor de cargas marca uma nova e promissora fase na carreira do jato mais popular da Airbus e abre mais uma área de competição com a Boeing.

Veja mais: Bombardier pode reduzir sua participação no programa A220

Total
25
Shares
Previous Post

Abaeté recebe autorização da ANAC para operar como companhia aérea no Brasil

Next Post

Presidente da Boeing fala em recomeçar projeto NMA do zero

Related Posts