Parados desde março, jatos A380 da Emirates voltam a voar

Maior avião de passageiros do mundo está de volta com voos diários de Dubai para Paris e Londres
(Emirates Airline)
Airbus A380 da Emirates decolando do hub em Dubai (Emirates Airline)

Os Airbus A380 da Emirates Airline voltaram aos céus nessa quarta-feira, 15, com voos de Dubai para Londres e Paris, após ficarem quase quatro meses no chão. A partir de 1º de agosto, a companhia também retomará o voo diário com a aeronave para Amsterdã e adicionará um segundo trecho diário com o A380 para Londres Heathrow.

A empresa aérea do Oriente Médio suspendeu todas as operações no final de março quando os Emirados Árabes Unidos proibiram voos comerciais. Em abril, o país aliviou as restrições e a Emirates iniciou uma lenta retomada, começando com uma série de voos de repatriação e, em seguida, aumentou progressivamente a lista de destinos, chegando hoje a 50 cidades. Contudo, até esta semana a Emirates operava exclusivamente com o Boeing 777 em todas as rotas.

Sempre lembrada por ter a maior frota de A380 do mundo, com 114 aeronaves, a empresa aérea de Dubai também é o maior operador do 777, com 141 aparelhos (10 777-200ER e 131 777-300ER).

Experiência diferente no A380

Alguns dos recursos mais famosos dos A380 da Emirates estão indisponíveis durante essa fase de recuperação da pandemia. O bar na cabine está fechado e os passageiros da primeira classe não poderão acessar as suítes de banho. A empresa ainda informou que as barras entre os assentos da classe executiva permanecerão fechadas nos voos. Portanto, nada de festa, conversa ou banho nas viagens do Superjumbo.

Bar fechado: por medidas de precaução contra a COVID-19, a Emirates fechou o bar do A380 (Emirates Airline)

A Emirates também ajustou seus serviços de embarque e na cabine e os comissários de bordo e funcionários em terra usam Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) rigorosos.

A empresa ainda não programou mais voos com o A380. Por outro lado, a Emirates retomou as operações regulares para outras sete cidades (com jatos 777) – Atenas, Barcelona, Genebra, Glasgow, Lárnaca, Munique e Roma. No próximos dias, a companhia retorna para Malé, Washington DC e Bruxelas.

A partir do dia 2 de agosto, a Emirates retoma o atendimento em São Paulo/Guarulhos, começando com uma frequência de dois voos por semana operados com jatos 777 em vez do A380.

Comissários da Emirates com EPIs (Emirates Airline)

Avião no “grupo de risco”

O A380 é o principal avião comercial no “grupo de risco” na crise do setor aéreo causada pela pandemia.

Com a queda brusca na demanda por transporte aéreo nos últimos meses e medidas de restrições de voos, as companhias aéreas ficaram sem passageiros para ocupar os mais de 400 ou 500 assentos disponíveis na aeronave de dois andares.

Durante o pico da pandemia, foram os raros os A380 que se arriscaram a voar e alguns deles nunca mais devem decolar. Em meio a crise, a Air France anunciou a aposentadoria imediata de todos os seus aparelhos e a Lufthansa reduziu sua frota. Outras companhias armazenaram seus aparelhos e devem mantê-los parados por um ano ou mais. Ou para sempre?

A única companhia aérea que ainda tem pedidos pelo A380 é a Emirates, com mais nove exemplares encomendados. A produção da aeronave está programada para terminar em 2021. Nesse ponto, espera-se que a empresa árabe opere o avião até meados da década de 2030, se ainda valer a pena.

Veja mais: Hi Fly adapta Airbus A380 para transportar cargas

Total
17
Shares
Previous Post

Mesmo com crise, nova companhia aérea regional quer estrear no Brasil

Next Post

Empresa aérea do Nepal aterra seus aviões de fabricação chinesa

Related Posts