O Tucanos voam com a Força Aérea Argentina desde 1987 (FAA)

O comandante da Força Aérea Argentina (FAA), Brigadeiro Xavier Julián Isaac, confirmou recentemente que o projeto de modernização das aeronaves Embraer T-27 Tucano planejado para começar este ano foi adiado para 2021.

Em entrevista ao Zona Militar, o brigadeiro argentino ressaltou que a FAA não planeja desativar os turboélices brasileiros. “Pelo contrário, a modernização está prevista para começar no próximo ano. Estávamos pensando em começar este ano, mas os preços que nos passaram não eram os melhores, portanto, foi solicitada uma proposta melhor. No ano que vem vamos retomar o projeto”.

A FAA não divulgou detalhes sobre o processo de atualização que deve realizar nas aeronaves, mas espera-se que o projeto argentino siga as mesmas orientações dos trabalhos realizados nos Tucanos da força aérea da Colômbia (FAC) e a modernização prevista para os T-27 da Força Aérea Brasileira (FAB).

Em julho, a FAC concluiu o processo de modernização em seus 14 exemplares do Tucano. O trabalho realizado localmente com autorização da Embraer atualizou os aviões para o padrão AT-27M. Eles receberam novos sistemas aviônicos e painéis digitais, além de uma revisão estrutural completa que incluiu a troca das asas e conjuntos de trens de pouso. Com as atualizações, as aeronaves ganharam mais 15 anos de vida útil, segundo a força colombiana.

Por sua vez, a FAB abriu em 2018 um processo de licitação para atualizar os cerca de 60 T-27 que ainda operam com a força aérea. Chamado “Projeto T-27M”, o plano previa a modernização dos instrumentos de voo das aeronaves para mantê-las em serviço até, pelo menos, 2030. No entanto, o programa está suspenso e o futuro do Tucano no Brasil segue indefinido.

Os Tucanos servem na FAB como aviões de treinamento avançado (FAB)

Tucano ganha novas funções da Argentina

A chegada dos novos aviões de treinamento Beechcraft T-6C+ Texan II à frota da FAA marcou o fim da carreira do Tucano na Escola de Aviação Militar da Argentina. A partir de 2018, o turboélice da Embraer ganhou uma nova função da Argentina e passou a ser empregado por esquadrões de vigilância armada.

A FAA recebeu seus primeiro Tucano da Embraer em 1987. O país adquiriu um total de 30 aeronaves, das quais 14 estão listadas como ativas pelo World Air Forces 2020, compilado pelo Flight Global.

Veja mais: Marinha suspende leilão do porta-aviões NAe São Paulo