Azul finalmente recebe seu primeiro Airbus A330-900neo

Aeronave de voos de longa distância foi entregue para a companhia aérea nesta quinta-feira na França e deve estrear no dia 10 de junho
Voo para Nova York deveria estrear em junho
Voo para Nova York deveria estrear em junho (Airbus)
O primeiro A330neo da Azul deve estrear no dia 10 de junho (Airbus)
O primeiro A330neo da Azul deve estrear no dia 10 de junho (Airbus)

Após inúmeros adiamentos, a Airbus enfim entregou o primeiro A300-900neo para a Azul Linhas Aéreas nesta quinta-feira (9) em Toulouse, sede da fabricante. A aeronave, de propriedade da empresa Avolon, é uma das cinco alugadas pela companhia aérea para compor sua frota de longo alcance.

A Azul espera desde o final de 2018 pela entrega do aparelho, mas seguidos atrasos em sua homologação postergaram a data por diversas vezes. O A330neo da companhia é também o primeiro do tipo entregue para uma empresa nas Américas e por muito pouco já que a Delta Air Lines também deve receber seu primeiro exemplar em breve.

“Estamos muito orgulhosos em ser a primeira companhia a operar o A330neo nas Américas. Essa nova aeronave desempenhará um papel essencial na nossa expansão no mercado internacional, impulsionando nossa estratégia de ter uma frota moderna e eficiente em termos de combustível”, afirmou John Rodgerson, CEO da Azul.

O A330neo da Azul está configurado para transportar 298 passageiros em três classe – 34 na executiva, 96 na econômica premium e 168 na econômica tradicional. O interior do avião recebeu o padrão “Airspace” desenvolvido pela própria fabricante e que estreou na TAP.

Graças aos avanços aerodinâmicos e seus novos motores Rolls-Royce Trent 7000, o A330neo é capaz de voar mais longe e com uma economia de combustível cerca de 25% maior que a de aviões do mesmo porte mais antigos como o próprio irmão A330-200 utilizado pela companhia brasileira.

O A330-900neo estreante da Azul, prefixo PR-ANZ, fará seu primeiro voo comercial entre Viracopos e Lisboa em 10 de junho.

Veja mais: Qantas Airways lança primeiro voo comercial que não produz lixo

Total
0
Shares
3 comments
  1. Em 2915 passei por um transplate renal em São Paulo, com idas e vindas, assim como o transplante muito bem sucedido, as viagem também, e pela Avianca, é muito constrangedor ver ios últimos acontecimentos referindo se a AVIANCA, ASSIM,deixo minha tristeza e a certeza que tudo vai voltar ao normal. JAIME FERREIRA DOS SANTOS, FEIRA DE SANTANA-BA.

  2. E sempre triste ver um sonho acabar e no caso da Avianca o sonho de seus idealizadores nos proporcionavam bons momentos. Será impossível sonhar em ver de volta a Avianca?

  3. Realmente é muito triste.
    Eu tenho 57 anos, mas me lembro muito bem quando criança íamos ao terraço do aeroporto de Congonhas para assistir os pousos e decolagens da REAL, SADIA e outras Companhias aéreas da época.

    Meu primeiro voo foi pela VASP. São Paulo – Porto Alegre quando eu tinha 18 anos.

    Viajei pela CoreanAir; American Air Lines; NorthWest; SouthWest; Hahawain Air; TaiAir; Luftansa; e muitas vezes pela minha preferida VRG Varig.

    Anos depois Fui trabalhar no Centro Médico da FUNDAÇÃO RUBEN BERTA (Dona da Varig).
    Pena saber o que leva as Companhias aéreas Brasileiras à dissolução.

    Sou um apaixonado pela aviação. Penalizado por tantas perdas.
    Fica aqui minha solidariedade aos Funcionários da AVIANCA.

Comments are closed.

Previous Post
Os Super Étendard comprados pela Argentina foram operados pela marinha da França até 2016 (COAN)

Argentina recebe caças navais Super Étendard comprados da França

Next Post
O novo voo da Gol entre Campinas e Brasília será realizado com jatos 737-800 (GOL)

Com 737 MAX aterrado, Gol avalia incorporar jatos 737 da geração anterior

Related Posts