Embraer admite conversas com Lufthansa por novo pedido de jatos

Fabricante brasileira respondeu aos questionamentos de acionistas após CEO da companhia aérea alemã revelar interesse em seus jatos comerciais
Os E-Jets fazem parte das frotas da Lufthana Cityline, Air Dolomiti e Austrian Airlines (Embraer)

Na semana passada, a Embraer confirmou que conversa com a Lufthansa sobre um possível pedido de novas aeronaves comerciais, mas negou que o assunto seja suficientemente relevante para motivar um comunicado ao mercado de ações.

O assunto surgiu após o CEO da Lufthansa Carsten Spohr revelar em simpósio interesse pelos jatos E2 da fabricante brasileira. Por ter ações na bolsa de valores, a Embraer precisa comunicar informações relevantes a fim de evitar uma possível oscilação no valor de seus papéis.

Em resposta à Comissão de Valores Mobiliários, a Embraer afirmou que “mantém um esforço de venda constante frente a seus clientes. No contexto deste esforço, a Companhia tem discutido com a Lufthansa a potencial aquisição de aeronaves. Tais discussões não estão em um estágio avançado, e não há qualquer compromisso firme de concretização de tais vendas neste momento“.

Por conta da divulgação da declaração de Spohr em vários veículos de mídia, as ações da Embraer tiveram uma grande valorização no dia 17.

Cliente importante da Embraer

O grupo Lufthansa, que passa por uma grave crise financeira por conta dos efeitos da pandemia da COVID-19, tem empreendido uma estratégia de redução da frota focada em aposentar precocemente aeronaves menos eficientes como os quadrimotores A380, A340 e 747.

O CEO da companhia também reconheceu que está negociando com a Airbus e Boeing a fim de substituir parte de seus atuais pedidos por aeronaves de menor capacidade, mas não revelou quais modelos estão sendo analisados.

Com uma expectativa de demanda menor nos próximos anos, a Lufthansa enxerga nos pequenos jatos comerciais uma saída para operar rotas com uma taxa de ocupação mais adequada. É nesse cenário que a linha de aviões E2 da Embraer pode se encaixar.

Atualmente, o grupo alemão possui 43 aeronanves da Embraer dos modelos E190 e E195, mas também 105 jatos A319 com média de idade de 16 anos e cuja eficiência operacional é bem menor que os E2.

A Swiss, parte do grupo, por outro lado, opera o A220, antigo jato C Series da Bombardier, e que é o principal concorrente dos aviões da Embraer.

A Swiss, parte do grupo alemão, opera o rival A220 (Divulgação)

Veja também: Embraer entrega primeiro E195-E2 para a KLM

Total
52
Shares
Previous Post

Boeing inicia produção do treinador avançado T-7A Red Hawk

Next Post

NASA quer sua ajuda para projetar aviões elétricos

Related Posts