Ethiopian Airlines anuncia retorno dos voos com o Boeing 737 MAX

Jato voltará a ser usado pela companhia aérea africana a partir de fevereiro de 2022, quase três anos após acidente fatal
Boeing 737 MAX 8 - Ethiopian Airlines
A Ethiopian Airlines foi a segunda companhia aérea que perdeu um 737 MAX, depois da Lion Air (LLBG Spotter)

Poucos dias antes de o acidente com “Voo 302” completar três anos, a Ethiopian Airlines deverá retomar a operação do Boeing 737 MAX 8.

A companhia aérea africana espera colocar a aeronave de volta ao serviço em fevereiro de 2022, anunciou Tewolde GebreMariam, CEO da Ethiopian.

“Estamos recolocando o B737 MAX em serviço não apenas após a recertificação pela FAA (Federal Aviation Administration), EASA da Europa, Transport Canada, CAAC, ECAA e outros órgãos reguladores, mas também após o retorno ao serviço por mais de 34 companhias aéreas em todo o mundo”, disse GebreMariam.

O chefe da Ethiopian explicou que a carrier havia se comprometido a ser uma das últimas a voltar a voar com 737 MAX: “Remos levado tempo suficiente para monitorar o trabalho de modificação do projeto e os mais de 20 meses de rigoroso processo de recertificação e garantimos que nossos pilotos, engenheiros, técnicos de aeronaves e tripulação de cabine confiem na segurança da frota”, disse.

Tewolde GebreMariam, CEO da Ethiopian

Segundo a Ethiopian, mais de 275 mil voos comerciais foram realizado com a aeronave da Boeing desde a retomada da operação há um ano.

O voo 302 da Ethiopian Airlines decolou do Aeroporto Internacional de Adis Abeba no dia 10 de março de 2019 com destino a Nairobi, no Quênia, com 149 passageiros e oito tripulantes.

Seis minutos após a decolagem, o jato mergulhou em direção ao solo após falhas em sistemas do 737 MAX, sobretudo o MCAS, que foi concebido para auxiliar os pilotos em situações de ângulo de ataque pronunciado. Todos os ocupantes faleceram.

O acidente era o segundo com a nova variante do Boeing 737, seis meses após um MAX da Malindo Air apresentar um problema semelhante e que também matou todos os passageiros e tripulantes.

A perda do segundo 737 MAX fez várias autoridades de aviação civil proibirem sua operação até que as causas dos acidentes fossem esclarecidas.

A Boeing e a FAA, no entanto, demoraram a reconhecer que havia problemas de projeto, recebendo pressão pública para que admitissem erros na certificação da aeronave.

Apenas em novembro de 2021, a fabricante e a agência de aviação civil dos EUA finalizaram as mudanças necessárias para que o 737 MAX voltasse a realizar voos comerciais.

A Gol foi a primeira companhia aérea a retomar voos com o 737 MAX em 2021 (Thiago Vinholes)

Total
8
Shares
Previous Post

Com E175-E2 atrasado, Embraer pode explorar mercado de cargueiros

Next Post
O AN-178 foi desenvolvido em pouco mais de três anos (foto - Antonov)

Peru e Ucrânia se desentendem sobre entrega de rival do Embraer KC-390

Related Posts
Total
8
Share