FAB cede e encomenda de jatos KC-390 é reduzida em apenas seis aviões

Acordo foi celebrado com a Embraer e prevê entregas dos 17 cargueiros restantes até 2034 em vez de 2027
KC-390: encomenda reduzida de 28 para 22 unidades (FAB)

A Força Aérea Brasileira (FAB) e a Embraer chegaram a um acordo a respeito da redução da encomenda de 28 aviões de transporte militar KC-390 Millennium.

Em vez das 15 unidades pleiteadas, a Aeronáutica receberá 22 aeronaves, reduzindo a encomenda em seis KC-390. No entanto, as entregas serão estendidas até 2034 – restam 17 aviões após a atualização do contrato.

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, não comentou o resultado das negociações, se limintado a compartilhar um post em rede social da Embraer que noticiou o acordo.

Desde o início da polêmica, Baptista Junior esteve no centro das atenções a respeito da mudança de planos da Força Aérea Brasileira. Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro em março do ano passado, o militar assumiu o lugar do Brigadeiro Antônio Carlos Bermudez.

Cockpit do KC-390 Millenium (FAB)

Semanas depois de assumir, o novo Comandante revelou à imprensa a intenção de cortar a encomenda de 28 KC-390, alegando problemas orçamentários. A Embraer e a Força Aérea até então conversaram internamente sobre o assunto, mas Baptista Junior veio à público, criando um desgaste na relação entre os dois parceiros.

Após meses de negociações infrutíferas, o Comandante da Aeronáutica voltou a se pronunciar publicamente em novembro, afirmando que o governo federal iria alterar o contrato com a fabricante de forma unilateral. Diante da polêmica, Bolsonaro acabou tecendo elogios à Embraer e visitando seu estande no Dubai Airshow, dias depois.

Na semana passada, em entrevista à Folha de São Paulo, Baptista Junior afirmou que a FAB e a Embraer estavam perto de um acordo, mas sem revelar o número de aeronaves a serem suprimidas do contrato.

O Comandante da Aeronáutica, Brigadeiro Baptista Junior (FAB)

Na ocasião, ele considerou a encomenda original impraticável. “Comprar 28, só vamos receber daqui a 14 anos, não faz sentido para nós ou para a Embraer. Há processos de obsolescência a analisar”, disse.

Mas no novo arranjo, a Força Aérea levará 12 anos para receber os 17 KC-390 pendentes de entrega. No cronograma original, a Embraer entregaria os últimos jatos em 2027.

Ao mesmo tempo em que tentava reduzir o contrato com a fabricante brasileira, Baptista Junior já encaminha a encomenda de um segundo lote de 30 caças Saab Gripen E, em complemento aos 36 aviões que estão sendo produzidos.

Total
49
Shares
0 0 votes
Article Rating
3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Artur Luiz da Cunha
Artur Luiz da Cunha
4 meses atrás

Precisamos mesmo é de caças.

Mau
Mau
4 meses atrás

Na realidade precisamos de quase tudo quando o assunto e defesa militar .

Mau
Mau
4 meses atrás

O Brasil devia ter pelo menos uns 160 caças .

Previous Post

Airbus entrega primeiro A330-300 VIP do mundo

Next Post

EVE-100 é o nome do primeiro “táxi voador” da Embraer

Related Posts
Total
49
Share