Novo turboélice russo Il-114-300 completa primeiro voo

Modelo é uma reedição do programa Il-114, avião regional que fracassou nos anos 1990 e agora tem uma nova chance
Ilyushin Il-114-300
Ilyushin Il-114-300 (UAC)

O novo turboélice de passageiros Ilyushin Il-114-300 fez seu voo inaugural nesta quarta-feira (16), no campo de aviação de Zhukovsky, na Rússia, informou o grupo estatal United Aircraft Corporation (UAC), que reúne os principais fabricantes aeronáuticos do país.

Segundo o conglomerado russo, o primeiro voo serviu para verificar o funcionamento dos motores turboélices e os controles e sistemas da aeronave em voo.

“O primeiro voo do IL-114-300 é o resultado do excelente trabalho de dezenas de milhares de pessoas – pesquisadores, engenheiros, especialistas – trabalhando no centro de projetos e nas fábricas da UAC, nas empresas de nossos fornecedores e parceiros. O desenvolvimento da nova aeronave turboélice regional abre novas perspectivas para a indústria russa de aeronaves civis”, disse Yury Slyusar, diretor geral da UAC.

O projeto Il-114-300 foi lançado oficialmente pela UAC no começo desta década com a meta de realizar o primeiro voo em 2018 e entrar em serviço em 2022, mas o desenvolvimento atrasou e o primeiro avião de teste só ficou pronto meses atrás. A aeronave é uma versão reformulada de um programa iniciado na década de 1990, mas que atraiu pouco interesse no mercado e saiu de linha rapidamente.

De acordo com o fabricante, o Il-114-300 tem capacidade para receber até 68 passageiros. A aeronave voa a velocidade de cruzeiro de 500 km/h a 7.600 metros de altitude e tem alcance de 1.400 km. A UAC ainda não informa quando deve iniciar as entregas do avião.

Concorrente para o ATR

A opção por atualizar o Il-114, um turboélice fracassado e que teve apenas 20 unidades construídas, deveria ter ajudado a encurtar o cronograma e baratear seu programa, mas não foi bem assim, como em geral tem ocorrido com outros projetos pós-União Soviética.

O governo russo aposta no Il-114-300 como uma alternativa nacional para a aviação regional do país. Com proposta semelhante ao ATR, a aeronave utiliza apenas componentes russos como o motor Klimov e aviônicos avançados. Uma dos diferenciais em que apostam seus idealizadores é o fato de o turboélice poder operar em aeroportos sem infraestrutura adequada. Ele possui escada retrátil e acesso do solo para inspeções de manutenção, diz a fabricante.

A configuração do bimotor praticamente não mudou em relação ao Il-114 original. Com asas baixas e cauda convencional, o Ilyushin lembra muito outro turboélice regional, o British Aerospace ATP, uma versão maior e mais moderna do conhecido Avro 748 que operou no Brasil.

Ilyushin Il-114
A primeira geração do Il-114 voou em 1990 (Vladimir Galkin)

Não há ainda pedidos oficiais, mas o Kremlin, por meio de uma estatal de leasing, já manifestou interesse em adquirir 50 aeronaves. Outro argumento a favor do modelo é que o Il-114-300 possui quase 40% mais autonomia que o franco-italiano ATR além de ser em tese mais barato de operar.

Se conseguir substituir os velhos turboélices militares An-24 e An-26 que hoje são usados em rotas regionais, o novo avião russo já terá conseguido um grande feito.

A Rússia tem incentivado programas nacionais de desenvolvimento de aeronaves civis como os jatos de passageiros SSJ100 e MC-21. Até mesmo o velho quadrimotor Il-96 deve ganhar nova roupagem enquanto a UAC não consegue avançar com o CR-929, um widebody projetado em parceria com a COMAC, da China.

Veja mais: FAB vai receber quarta aeronave KC-390 da Embraer nos próximos dias

Total
4
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
dan
dan
9 meses atrás

Uma boa aeronave para a imensidão do território russo, com cidades até relativamente populosa no meio do nada ou em lugares quase congelantes e selvagens.
A Embraer deveria lançar uma assim que ia atender bem regiões que nem os ATR da Azul chegam e em aeroportos bem simples e de operação sazonal.

Previous Post

Avanço do jato ARJ21 antecipa tempos difíceis para Airbus e Boeing na China

Next Post

Boeing 787 agora tem peças fabricadas nos Emirados Árabes Unidos

Related Posts