LATAM abre mão do Airbus A350 em rotas internacionais

Diante da queda na demanda de passageiros, companhia aérea posterga entrega do jato avançado – parte da frota poderá ir para a Qatar Airways
Airbus A350: diferencial da LATAM tornou-se raridade nas rotas da empresa (Airbus)
Airbus A350: diferencial da LATAM tornou-se raridade nas rotas da empresa (Airbus)

Aguardado desde 2009, quando a então TAM fez a primeira encomenda, o Airbus A350, avião mais avançado da empresa, pode sair de cena, ainda que parcialmente das suas rotas internacionais. A LATAM, inclusive, já o retirou de algumas rotas como Miami e Milão e adotou uma estratégia sofrível para os passageiros, a de revezar equipamentos na rota São Paulo-Paris (alternando o jato com o Boeing 777).

Segundo rumores que circulam no exterior, a razão estaria no arrendamento de quatro dos sete A350 já recebidos para a Qatar Airways. A companhia aérea do Oriente Médio tornou-se sócia da LATAM ao adquirir 10% das ações do grupo e é a primeira operadora do birreator da Airbus.

Questionada sobre o assunto, a LATAM respondeu ao Airway afirmando que postergou as entregas do A350 de 2017 para 2018 quando receberá mais quatro aeronaves, mas nada foi dito a respeito da hipótese de repasse de parte da frota para a Qatar.

De fato, o presidente da LATAM Enrique Cueto afirmou no ano passado que a companhia reveria as encomendas do modelo, porém, em setembro apenas uma mudança na versão do A350 foi feita – aumentando o número de jatos A350-1000, de maior capacidade, para 14 dos 27 aviões adquiridos.

O Airbus A350 já nas cores da LATAM ao lado do novo A320neo (Airbus)

Escolhas do passado

Com as alterações apenas a rota entre Guarulhos e Madri permanece operando apenas com o A350. Outros destinos serão atendidos com os modelos Boeing 767 e 777, dos quais a empresa possui 14 e 10 unidades, respectivamente – o Airbus A330, pioneiro jato dos voos para o exterior, foi aposentado em abril do ano passado.

A presença de dois jatos avançados concorrentes na frota da LATAM (além do A350, ela opera o Boeing 787) é fruto do período anterior à fusão entre as companhias TAM e LAN. Enquanto a empresa chilena recebeu seu primeiro 787 em abril de 2012 a TAM (já como LATAM) esperou até maio do ano passado para receber o A350-900.

Embora tenham capacidades diferentes, os dois acabam por obrigar a nova companhia a ter um custo extra em treinamento de tripulantes, funcionários, além de manutenção para cumprir funções semelhantes. Resta saber o que a LATAM fará com esse assunto quando o mercado de aviação reaquecer.

A LATAM tem sete Airbus A350 na frota (Airbus)

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos
Carlos
5 anos atrás

Ainda bem
Os assentos desse avião são horríveis.

Vitor
5 anos atrás

Siceramente, a TAM acabou… Desde que a LAN comprou a tam, a agora filial brasileira só se deteriora. Infelizmente. Triste…..

Arnaldo F
Arnaldo F
5 anos atrás

Uma perguntinha… A razão n.º 1 para o lançamento de novas gerações de jatos não é exatamente o menor custo de operação, com menor consumo de combustível? O novíssimo A-350 não é mais econômico que os veteranos Boeing 777 da antiga TAM? Aliás, 777-300ER, enormes. Alguma coisa não fecha nessa equação. A não ser que, como aliás a matéria insinua, a vantagem da desativação esteja no aluguel das aeronaves à terceiros. Essa Latam…

Fabio
Fabio
5 anos atrás

A350-900 e 787-8 naosao concorrentes diretos. Eles tem tamanhos bem diferentes.
O Dreamliner na versao da Latam de Lixo eh apenas um substituto do famigerado 767

Previous Post
Para chegar a Praça Vermelha, Thomas Rust ignorou todo o sistema de defesa da URSS, na época composto por 10 mil mísseis e 2.500 caças (Reprodução/Englishrussia)

Quando um “teco-teco” invadiu a União Soviética

Next Post

Congonhas supera 20 milhões de passageiros pela primeira vez

Related Posts