Maior fracasso da Airbus, A330-800 tem terceira unidade entregue

Variante de menor capacidade do A330neo foi entregue para a Uganda Airlines, uma das duas clientes conhecidas da aeronave
O primeiro A330-800 da Uganda Airlines (Airbus)

Em termos financeiros, possivelmente o A380 seja o jato de passageiros que produzirá o maior prejuízo para a Airbus após obter menos de 300 pedidos, mas em números absolutos o posto de maior fracasso da empresa até hoje chama-se A330-800.

A versão de menor capacidade do A330neo, que oferece um alcance impressionante de mais de 15 mil km, acumulava até o final de 2020 somente 14 pedidos, quatro deles de clientes não revelados. É ben menos até do que o A318, o menor membro da família A320, considerado um dos maiores erros da fabricante europeia, mas que teve 80 unidades produzidas.

De conhecidas, apenas duas companhias aéreas enxergaram valor na aeronave, a Kuwait Airways, dona da primeira encomenda oficial, com oito unidades, e a Uganda Airlines, que acaba de receber o primeiro de dois jatos.

Após falir em 2001, a companhia aérea de bandeira do país africano foi recriada pelo governo de Uganda em 2018 e iniciou operações no ano passado com quatro jatos CRJ-900. Os dois A330-800 foram escolhidos para restabelecer voos de longa distância a partir de 2021.

“Guiado por Deus”

Com área territorial e população semelhante em tamanho ao estado de São Paulo, Uganda possui um PIB de pouco menos de US$ 30 bilhões (comparado aos US$ 600 bilhões do maior estado brasileiro). Isso faz do país o 18º mais rico da África, bem atrás dos vizinhos Quênia e Etiópia, que inspiraram o renascimento da companhia aérea.

Na visão do governo local, a Uganda Airlines será vital para concorrer com companhias como a Kenya Airways (39 aviões) e Ethiopian Airlines (125 aeronaves) após o fracasso de negociações para formar uma empresa aérea que reunisse os países da África oriental.

A chegada do A330-800 ao país nesta semana foi comemorada pelo presidente de Uganda, Yoweri Museveni, que instou ‘funcionários corruptos’ a ficarem longe da nova companhia aérea.

Museveni também agradeceu à Airbus e ao fato de terem desistido de encomendar o 737 MAX. “Parabenizo os ugandeses por terem sua própria companhias aérea. E a vocês, funcionários, peço-lhes que acabem com a corrupção. Não quero ouvir o cheiro de corrupção na nova Uganda Airlines. E agradeço à Airbus por fazer um novo produto. Fomos sensatos em não comprar o avião americano – o Boeing que tem caído e matado pessoas. Deus está lá, ele é quem nos guiou”, afirmou na cerimônia de chegada da aeronave de 258 assentos no Aeroporto de Entebe.

Tamanho ideal em tempos de COVID-19

A despeito dos números quase insignificantes de pedidos, a Airbus não perdeu a pose ao listar os atributos do A330-800. “Graças à sua capacidade de médio porte sob medida e sua excelente versatilidade de alcance, o A330neo é considerado a aeronave ideal para operar como parte da recuperação pós-COVID-19”, afirmou a fabricante.

Falta combinar com centenas de potenciais clientes que ainda não deram atenção ao A330-800 até agora.

Airbus A330-800neo - Kuwait Airways
A Kuwait Airways é o outro cliente conhecido do A330-800, tendo já recebido duas aeronaves (Airbus)

Veja também: Companhia portuguesa Hi-Fly desativa seu único Airbus A380

Total
19
Shares
Previous Post
Embraer E190 da Myanmar Airways International

Companhia aérea de Myanmar inicia operações com o Embraer E190

Next Post
Trenó do Papai Noel no Flightradar24

Acompanhe o trenó do Papai Noel pelo Flight Radar 24

Related Posts