Turboélice de passageiros da Embraer ganha nova configuração

Aeronave trocou motores posicionados nas asas por solução de suportes na cauda, num movimento que repete o desenvolvimento do ERJ 145 na década de 90
A nova configuração do turboélice de passageiros da Embraer

Entre vários anúncios feitos na semana passada, a Embraer revelou uma significativa atualização do projeto do novo turboélice de passageiros que está atualmente em desenvolvimento.

A aeronave ainda sem nome passou a exibir uma configuração com motores instalados na cauda em vez de posicionados nas asas, como mostravam as primeiras ilustrações divulgadas pela empresa.

A nova configuração surgiu como uma forma de reduzir o ruído interno da aeronave, explicou Arjan Meijer, CEO da Embraer Commercial Aviation.

“O projeto de turboélice de última geração continua a ser desenvolvido. Além de serem mais velozes, com custos operacionais mais baixos e com mais espaço pessoal do que outros modelos no mercado, os motores montados na parte traseira reduzem o ruído da cabine para uma experiência de jato”, disse o executivo no Twitter.

Como o turboélice para 70 a 90 passageiros compartilhará componentes com a família E-Jet, o avião se beneficiará de um espaço interno mais generoso que o dos atuais aviões regionais da categoria.

Concepção artística do novo turboélice de passageiros da Embraer (Embraer)
Primeira concepção artística do novo turboélice de passageiros da Embraer (Embraer)

No entanto, é em outro tipo de aeronave que a Embraer pensa oferecer uma alternativa mais econômica e sustentável, a de jatos regionais com 50 assentos, entre eles o CRJ 200 e o ERJ 145.

A nova configuração também poderá possibilitar uma adaptação mais barata e rápida a novas tecnologias híbridas graças aos suportes dos motores. A solução anterior, presa às asas, provavelmente exigiria mudanças mais profundas no projeto.

O novo projeto, contudo, mostra uma aeronave mais convencional, com asas de desenho simples. A Embraer não adiantou dados de desempenho, mas acredita-se que a fabricante brasileira deverá revelar mais informações sobre o projeto em breve.

A evolução das configurações do ERJ 145

Dilema parecido com o do ERJ 145

Curiosamente, a Embraer já passou por uma situação semelhante quanto à escolha da posição dos motores de uma aeronave. Projeto surgido ainda durante a fase estatal, o jato regional ERJ 145 nasceu com uma configuração de motores sobre as asas.

Logo ficou claro que o projeto não oferecia boas condições e foi revisado com os motores colocados em pilones sob as asas. Mas nesse caso o problema envolveu o trem de pouso alto demais.

No fim, a Embraer acabou adotando a mesma solução, de motores instalados na parte traseira da fuselagem, configuração semelhante a jatos como o MD-80, Fokker 100 e modelos executivos. Não por acaso, esse desenho tornou mais fácil a adaptação do projeto para a criação do Legacy, seu primeiro jato executivo.

Total
71
Shares
4 5 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Oscar Fernandes Sousa
10 meses atrás

Desde que vi a 1a concepção artística achei esquisita, não sou especialista mas os motores nas asas me pareciam desproporcionais e o conjunto era feio. Agora sim, um belo e competitivo avião.

Previous Post

Embraer inicia testes de voo com seu primeiro avião elétrico

Next Post

Avião A-29 Super Tucano do Afeganistão derrubado pelo Uzbequistão

Related Posts
Total
71
Share