COMAC entregou o 3º jato C919 para a China Eastern Airlines

Jato comercial é o primeiro totalmente desenvolvido na China. Companhia aérea tem ainda 102 unidades pendentes de entrega e que serão enviadas até 2031
O terceiro jato C919 da China Eastern Airlines (CD)

A fabricante estatal de aviões comerciais COMAC realizou a entrega do 3º jato C919 para a China Eastern Airlines no sábado, 9 de dezembro.

A aeronave de matrícula B-919D havia realizado seu voo inaugural dois meses atrás e desde então vinha sendo preparada para a entrega.

Segundo a mídia local, o C919 fez um curto voo em Xangai ao decolar do Aeroporto Internacional Pudong às 9h53 e pousar no Aeroporto Internacional Hongqiao, onde ficam as instalações da China Eastern, logo depois.

O envio do 3º C919 ocorreu exatamente um ano após a cerimônia de entrega do primeiro avião do tipo. A aeronave comercial, no entanto, só entrou em serviço efetivamente em 28 de maio, após um longo período de voos de familiarização.

O segundo C919 entrou em serviço em agosto (CTGN)

A China Eastern recebeu seu segundo C919 pouco tempo depois, em julho, e o colocou em serviço em agosto.

A despeito do hiato de cinco meses sem entregas, o programa C919 deve entrar em nova fase, à medida que a COMAC realiza os últimos ajustes na produção.

Cliente lançadora da aeronave, a China Eastern tem um pedido inicial de cinco C919, mas fechou um acordo bem mais amplo, de 100 aeronaves, em setembro.

O “A321neo” chinês: capacidade para 210 passageiros em duas classes (COMAC)

Além dos dois C919 pendentes da primeira encomenda, a COMAC entregará cinco aeronaves em 2024, 10 jatos por ano entre 2025 e 2027, 15 aviões anuais entre 2028 e 2030 e 20 C919 em 2031.

Siga o AIRWAY nas redes: Facebook | LinkedIn | Youtube | Instagram | Twitter

O C919 é configurado com duas classes e 164 assentos na China Eastern Airlines, e será uma alternativa local para o Airbus A320 e o Boeing 737.

O plano é que a aeronave responda pela maior demanda de jatos de um corredor na China e para isso a COMAC já planeja uma família de jatos, com uma versão curta de 140 lugares e capacidade de operação em grande altitude, e um alongada, com cerca de 210 assentos.

Total
0
Shares
1 comment
  1. Para quem não está entendendo por que tantas encomendas, é por que o sócio majoritário (vulgo governo chinês) da empresa aérea, também é o dono da fabricante dos aviões.

    E também o número elevadíssimo de encomendas é para fazer propaganda. Se todos esses aviões encomendados forem entregues, a China vai ter aviões para mais de cinco vezes as suas necessidades.

Comments are closed.

Previous Post

Como o jato Embraer E195-E2 transformou uma pequena regional canadense numa potência na América do Norte

Next Post

Lockheed Martin apresentou o primeiro caça F-35A da Força Aérea da Bélgica

Related Posts
Total
0
Share