Empresa australiana amplia compra de jatos E190 para 30 aviões

Alliance Airlines fechou novo acordo para 16 unidades do modelo da Embraer que eram usadas pela American Airlines
A Alliance comprou 14 jatos E190 usados e pode receber mais cinco no futuro (Embraer)

Maior operadora do Fokker 100 do mundo, a companhia aérea australiana Alliance Airlines deve se transformar em breve numa das principais clientes do jato E190, da Embraer. A empresa, que realiza sobretudo voos charter, anunciou nesta semana um acordo de aquisição de 16 aeronaves brasileiras que foram operadas pela American Airlines.

Trata-se do segundo lote de E190 da Alliance que em agosto havia fechado uma compra de 14 aviões com a empresa de leasing Azorra. Essas aeronaves, cujo primeiro exemplar foi entregue em setembro, estão configuradas em classe única, com 114 assentos.

Já na nova compra, os 16 E190 possuem duas classes e 99 assentos. Desta vez, o negócio foi fechado com a empresa americana Jetran por US$ 85 milhões (R$ 433 milhões), incluindo um motor CF-34 de reserva. O acordo anterior, com valor de US$ 80 milhões, envolvia também um simulador e seis motores de reserva. No entanto, a opção de mais cinco aviões com a Azorra foi descartada.

Segundo a companhia australiana, os jatos da Embraer que pertenciam à American serão entregues nos próximos onze meses, com cinco unidades iniciais ainda em dezembro e o restante numa cadência de uma aeronave por mês.

Segundo o diretor da Alliance, Scott McMillian, a compra foi uma oportunidade que não poderia ser desperdiçada. “O mercado global de aviões a jato para 100 assentos se recuperará rapidamente, à medida que as transportadoras buscarem se concentrar nos custos totais de viagem, em vez de nas métricas tradicionais”, afirmou.

Com o novo acordo, a Alliance diz ter encerrado sua estratégia de expansão de frota de curto prazo. A companhia decidiu escolher o jato da Embraer porque não encontra mais unidades do Fokker 100 em boas condições no mercado. Apesar disso, o E190 ainda aguarda a certificação da autoridade de aviação civil da Austrália para iniciar o serviço, o que deve ocorrer em março de 2021.

Segundo E-Jet mais produzido

Lançada em 1997 juntamente com o menor dos E-Jets (E170), a versão E190 foi por muito tempo a mais vendida da família. Há exatos três anos, no entanto, o E175, direcionado ao mercado norte-americano, passou a contar com mais pedidos enquanto o E190 perdeu algumas encomendas.

A Embraer está perto de encerrar a produção do E190 de primeira geração, após produzir 565 das 568 unidades encomendadas. Esse volume só é superado pelo próprio E175-E1, que possui 798 pedidos firmes e 291 opções de compra. Na nova geração de jatos comerciais da empresa brasileira, o primeiro E190 foi substituído pelo E190-E2 que acumulava 14 aviões entregues até setembro.

Os E190 da Alliance eram usado pela American Airlines e possuem duas classes (Gwen K.)

Veja também: Substituto do E180, A220 da JetBlue voa pela primeira vez

Total
146
Shares
Previous Post
O jato supersônico Boom é projetado para voar a 2.335 km/h com 55 passageiros (Divulgação)

EUA abre corredor aéreo para testar aviões comerciais supersônicos

Next Post
Embraer E-99M - FAB

FAB recebe segundo “avião-radar” E-99 modernizado

Related Posts