Dona da maior frota de Fokker 100 do mundo vira cliente da Embraer

Alliance Aviation, da Austrália, adquiriu 14 jatos E190 da primeira geração usados que serão entregues a partir de setembro
A Alliance comprou 14 jatos E190 usados e pode receber mais cinco no futuro (Embraer)
A Alliance comprou 14 jatos E190 usados e pode receber mais cinco no futuro (Embraer)

Conhecida por adquirir jatos Fokker 100 que estão sendo desativados pelo mundo, a australiana Alliance Aviation anunciou nesta segunda-feira, 03, a compra de 14 aeronaves E190 usadas, da Embraer. O acordo, de quase US$ 80 milhões (R$ 425 milhões), prevê ainda seis motores GE CF34 de reserva e a opção para mais cinco jatos brasileiros, além de um simulador e equipamento de treinamento da empresa americana Azorra Aviation LLC.

Para quem não conhece, a Azorra é uma companhia que faz leasing e intermedia a compra e venda de aeronaves comerciais de até 160 assentos no mercado. Em 2018, a empresa assinou um acordo com a Azul para negociar a frota de jatos E190 e E195, mas não é possível saber ainda a origem dos aviões que serão enviados para a Austrália. A companhia aérea brasileira já havia negociado parte de seus E195 num esquema de leasing com as empresas LOT e Breeze, mas a pandemia fez a empresa postergar esses processos, até onde se sabe.

A Alliance justificou a escolha do avião brasileiro por conta da dificuldade de encontrar mais jatos holandeses em boas condições. “O Fokker 100 continua como a base de nossa frota e acreditamos que ele permanecerá em serviço por muitos anos, sobretudo por conta da significativa quantidade de peças de reposição que temos. Com poucas oportunidades de aquisição de aeronaves Fokker, chegou a hora de adquirir uma aeronave mais nova para nos preparar para a próxima fase de crescimento”, explicou  Scott McMillan, diretor-geral da empresa.

Com 42 jatos da Fokker em sua frota (27 F100 e 15 F70), a Alliance é a maior operadora do modelo atualmente, que foi bastante usado pela TAM e a OceanAir no Brasil, mas que ultimamente tem sido mais visto em países como o Irã. Recentemente, a companhia australiana, que tem nos voos fretados sua maior fonte de receita, adquiriu a frota de Fokker 100 da Helvetic Airways. A empresa suíça retirou o jato de serviço para abrir espaço para os novos E190-E2.

O primeiro E190 australiano será entregue em setembro já com a pintura da Alliance, que está empolgada com a aquisição. “Esperamos que o E190 voe predominantemente em rotas regionais. Dado o número reduzido de passageiros nas rotas principais devido ao COVID-19, o E190 tem o potencial de ser o tipo de aeronave perfeito para algumas delas”, disse McMillan, que considerou o negócio uma tacada perfeita: “Como muitas companhias aéreas não estão voando e o aumento da demanda por uma aeronave configurada para 100 pessoas no mercado australiano, essa aquisição é mais do que oportuna, pois sustenta nosso crescimento esperado”, completou.

Com capacidade para até 114 assentos, o E190 é a segunda versão mais numerosa da família E-Jet da Embraer. Até junho, a fabricante havia entregado 564 aeronaves, restando apenas quatro unidades a serem fabricadas.

Fokker 100 da Alliance: maior frota do fabricante holandês no mundo (Phil Vabre)

Veja também: Embraer desenvolve adaptação para transportar cargas nos E-Jets

 

Total
289
Shares
0 0 votes
Article Rating
11 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Agelcino José Soares Filho
Agelcino José Soares Filho
1 ano atrás

Vejamos, alguns a alguns dias dispensou a Embraer por motivo desconhecido.
Agora vemos que a capacidade de passageiros está sendo uma oportunidade para transporte regionais e com custo muito menores do que as outras aeronaves.
Mesmo com dias difíceis e fakencua de grandes ou mesmo desmonte de outros, a empresa nacional começa a ver uma luz no fim do túnel.
Temos que acreditar no potencial do produto brasileiro, que inicialmente com aparelhos usados mas criará uma porta para os novos a serem construidos

Dercio Nogueira
Dercio Nogueira
1 ano atrás

A EMBRAER significa para o Brasil, uma insubstituível ancoragem no desenvolvimento intelectual, material e anímico. Por anos me questionei sobre as razões, as inexplicáveis razões pela quais nunca tivemos uma fábrica genuinamente nacional de automóveis. Enquanto se rodava pelo país em prosaicos, fuscas, a iniciativa privada, sem um impulso apaixonado do governo permitiu que indústrias como a Miura, Puma e principalmente a Gurgel fossem banidas do cenário nacional. Ou por outra: se não sei, imagino o porque. Agora, depois de dezenas de anos e milhares de engenheiros, técnicos funcionários altamente capacitados, largar tudo nas mãos da BOING? QUIZ O UNIVERSO QUE NÃO!

Alexandre Ribeiro
1 ano atrás

A azul com seus novos E195-E2, vai fazer sucesso, um avião muito confortável, espaçoso e silencioso. Foi o melhor avião que tive o prazer de ser passageiro. Embraer esta de parabéns.

Armando Massaharu Yuki
Armando Massaharu Yuki
1 ano atrás

Tanto na empresa que tenho dela valeu

Gerson Efraim Bentes
1 ano atrás

Gerson efraim bentes- tengo muito orgulho de ter em meu país uma empresa do pote de Embraer, a terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo

Ronaldo Dias De Oliveira

Não se sabe porque a Embraer ainda não lançou um avião para maior capacidade de assentos e carga . Sempre temendo Boeing e Airbus e a pouco levou um ” chute ” .
Capacidade nós temos…mercado existe….é só decolar..

Juarez Pinto de jesus
1 ano atrás

A Embraer é um património nacional deve ser preservada sempre independente de politicagem

Aroldo Magalhães
Aroldo Magalhães
1 ano atrás

É tem que as empresas que operam no transporte aqui no Brasil dar a preferência a aviões da Embraer e com isso baratear os custos das passagens aqui dentro do país

Altamiro Pires Munhoz
1 ano atrás

Eu concordo plenamente os Embraer 190 já são ótimos ok deve ser ainda melhores os e190 e2 eu cortei o pais de Porto Alegre a Recife direto sendo um dos voos mais tranquilo que tive silencioso e sem canceira com certeza devemos ter orgulho de uma empresa Brasileira de primeira linha com mercado no mundo inteiro!

Mário silva
Mário silva
1 ano atrás

O governo precisa incentivar na construção de motores turbofan e motores turbo hélice.
Engenharia e tecnologia nós temos, falta apenas incentivos.
Já pensou um avião da Embraer utilizando motores Brasileiros?

JOAO DIAS PEREIRA
1 ano atrás

AIRWAY, parabéns pelo espaço cedido aos comentários, me entusiasmo a ler cada um pois são opiniões, sugestões interessantíssimas e que endocam a rica capacidade brasileira. Afinal Santos Dumont é também brasileiro e deu asas ao mundo. Viva a EMBRAER livre das unhas da águia norte americana. ??

Previous Post

Virgin Galactic quer fabricar seu próprio Concorde, só que mais veloz

Next Post

Primeiro Gripen da FAB fará demonstração aérea em Brasília no dia 25 de outubro

Related Posts